in

Morte de jovem assassinada pelo ex teve requintes de crueldade e impacta policiais: ‘Um dos mais perversos’

Luana foi cruelmente assassinada pelo ex-namorado na noite da última terça-feira (09), em Cariacica (ES).

Reprodução A Gazeta / Arquivo pessoal Luana Demonier

O crime de morte da jovem Luana Demonier, de 25 anos, ocorrido na noite da última terça-feira (09), em Cariacica, no Espírito Santo, causou forte comoção nacional e perplexidade pela brutalidade do crime. A vítima, que voltava do trabalho, acabou sendo abordada pelo ex-namorado há cerca de 200 metros de casa, e foi cruelmente assassinada com quase 20 golpes de facão.

Publicidade

A jovem possuía uma medida protetiva contra o ex-namorado, com quem teve uma filha, mas o bebê morreu com poucos meses de vida no ano passado. Autor do crime, Rodrigo Pires Rosa, de 38 anos, se entregou à polícia um dia após o crime. Após negar autoria, o homem confirmou que assassinou Luana a sangue-frio. 

Vídeo choca

Responsável pelo caso, a Delegacia de Homicídio e Proteção à Mulher (DHPM) divulgou na noite de ontem (10), imagens flagradas por uma câmera de monitoramento, onde o crime foi registrado. Com trechos cortados e borrados para preservar os familiares da vítima, o vídeo mostra Rodrigo ao lado da vítima, aparentemente tendo uma discussão. Logo na sequência, ele surpreende Luana ao sacar um facão e golpeia por diversas vezes. Por fim, o acusado sai correndo do local logo após a ação criminosa, que para os policiais envolvidos no caso teve “requintes de crueldade”.

Publicidade

“Não há o que se falar em comportamento. Ele pode ter agido em violenta emoção, mas isso não o exime de responsabilidade. Ele mata com requintes de crueldade”, disse o delegado-geral da Polícia Civil do Espírito Santo, José Darcy Arruda, em entrevista para “A Gazeta”.

Publicidade

Segundo Arruda, o bárbaro crime impactou grande parte dos policiais envolvidos no caso, e até mesmo da delegada Rafaella Aguiar, que é responsável pelo caso. 

Publicidade

“A doutora Rafaella me confidenciou que, dos crimes que ela já investigou, esse foi um dos mais perversos e a chocou profundamente”, afirmou o delegado-geral.

Publicidade
Publicidade
Publicidade