in

Sogro é suspeito de furtar bens durante o enterro da nora e irmã da vítima reage

O pai do suspeito de matar a esposa por ela ter comemorado a vitória do Palmeiras na Copa Libertadores, é o principal suspeito dos furtos.

RedeTV!

A Polícia Civil de São Paulo investiga o furto de alguns bens de Érica Fernandes Alves Ceschini durante o seu próprio enterro que aconteceu no dia 1º de fevereiro de 2021. A torcedora do Palmeiras foi assassinada pelo próprio marido Leonardo Ceschini, de 34 anos, que é torcedor do Corinthians, na zona norte de São Paulo após a final da Copa Libertadores, que aconteceu no dia 30 de janeiro.

Publicidade

O principal suspeito de ter cometido os furtos, que incluem um micro-ondas, duas televisões, uma air-fryer, uma cafeteira, uma panela elétrica e ainda um carro, é o pai do suspeito do crime, Alexandre Ceschini. Os itens foram subtraídos do apartamento da vítima.

Para a RedeTV!, a Polícia Civil informou que a equipe do 33º Distrito Policial apura os furtos e realiza diligências para esclarecer o crime.

Publicidade

Érica foi morta a facadas pelo próprio marido na madrugada do domingo, 31, durante uma discussão sobre futebol. De acordo com a polícia, o suspeito do crime não gostou de a vítima ter comemorado a vitória o Palmeiras na Copa Libertadores, no sábado, 30.

Publicidade

Ao prestar depoimento, Alexandre afirmou que Érica o atacou com a faca primeiro e, neste momento, ele teria recuperado a arma branca e desferido golpes contra a esposa. O crime aconteceu na casa do casal localizada na Rua Rubens de Souza Araújo, em São Domingos. Após ser acionada, a Polícia Militar informou em nota que já encontrou Érica morta no chão da cozinha.

Publicidade

Ainda de acordo com informações da polícia, o suspeito foi encontrado com lesões no abdômen, por isso, foi encaminhado ao Hospital do Mandaqui, onde permaneceu por algum tempo internado sob escolta policial e foi preso logo após a alta médica.

A irmã da vítima desabafou: “Queremos que eles devolvam tudo, principalmente o celular de minha irmã, que chegaram a dizer que devolveriam à polícia, mas isso não foi feito”.

Publicidade
Publicidade
Publicidade