in

Bolsonaro muda o tom sobre novos pagamentos do Auxílio Emergencial e sinaliza volta: ‘auxílio ao nosso povo’

Presidente vinha se mostrando contrário à retomada do programa, mas vem mudando discurso nos últimos dias.

Agência Brasil - Caixa

O cenário de pressão e crise econômica por conta da pandemia do coronavírus estão corroborando para um aumento na discussão acerca da volta do programa Auxílio Emergencial ou a criação de um novo benefício para ajudar milhares de brasileiros.

Publicidade

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que tanto afirmou que o país não teria condições de viabilizar novos pagamentos devido ao alto endividamento com as medidas de urgência devido à pandemia, agora vem se mostrando favorável a uma possível volta do programa.

Nesta segunda-feira (08), em coletiva acompanhado de ministros e do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), o chefe do Executivo disse estar negociando uma possível retomada do programa, que em 2020 ajudou 68 milhões de brasileiros, e é bem provável um anúncio ser feito ainda nesta semana.

Publicidade

Valores, prazos e formato do benefício, bem como novos requisitos e quantitativo de beneficiários que serão atendidos não foram revelados. 

Publicidade

“Estamos negociando com [os ministros] Onyx Lorenzoni [Cidadania], Paulo Guedes [Economia], Rogério Marinho [Desenvolvimento Regional], entre outros, a questão de um auxílio ao nosso povo, que está ainda em uma situação bastante complicada” disse Bolsonaro em cerimônia realizada no Palácio do Planalto nesta segunda (08).

Publicidade

Na sequência, Bolsonaro enfatizou a necessidade de viabilizar novos pagamentos com responsabilidade, cumprindo todos os contratos e limite de gastos, para garantir uma solidez ao país. 

Reunião

Na última semana, Rodrigo Pacheco, recém-eleito à presidência do Senado, se encontrou com o ministro da Economia, Paulo Guedes, para discutir alguns temas, entre eles o Auxílio Emergencial. Em entrevista concedida à GloboNews hoje, o senador disse que Guedes mostrou compreensão com o cenário, e se mostrou receptivo à discussão de uma nova rodada de pagamentos. 

Publicidade
Publicidade