in

Estudo aponta que pessoas recuperadas da Covid-19 podem desenvolver outra grave doença sem cura

Coronavírus segue sendo estudado por cientistas e revelando poder prejudicial à saúde do seres humanos.

USP

A pandemia do coronavírus segue assolando a população mundial de forma arrebatadora. Ainda com fatores desconhecidos, a doença continua sendo estudada por cientistas, e impressionando pelo poder de ser prejudicial à saúde humana.

Publicidade

Um estudo publicado no final do ano passado no periódico Diabetes, Obesity and Metabolism, apontou que a Covid-19 pode impactar no desenvolvimento de diabetes, agindo assim também no cenário oposto. Vale lembrar que o diabetes é tido como um fator de risco para casos graves da Covid-19. 

Os cientistas analisaram pouco mais de 3,7 mil pacientes em oito tipos de estudos distintos. Na pesquisa, foi concluído que 14,4% dessas pessoas – mais de um em cada 10 – foram diagnosticados com diabetes após se recuperarem da Covid-19. 

Publicidade

Os novos casos de diabetes podem ser resultantes de inflamação e problemas de insulina ligados diretamente ao coronavírus. Como já é de conhecimento, o vírus pode piorar problemas de saúde existentes. Segundo assim, em alguns desses casos, o paciente já poderia ter diabetes, mas não sabia até ser hospitalizado por conta da Covid-19. 

Publicidade

Segundo Jose Aleman, professor de endocrinologia da NYU Langone Health, os estudos também sugerem que o coronavírus tem potencial para agravar problemas de saúde existentes em diabetes tipo 2. 

Publicidade

Números no mundo

Em escala global, a pandemia do coronavírus já infectou mais de 103 milhões de pessoas – destes, pouco mais de 57 milhões já se recuperaram. O número de mortes está na casa dos 2,23 milhões. Registrando um momento de alta no índice de novos casos de infecção e óbitos em decorrência da doença, o Brasil aparece na segunda colocação no ranking mundial da Covid-19.

De acordo com o último balanço, o país sul-americano aparece 9,2 milhões de casos, tendo registrado a marca de pouco mais de 226 mil mortes.

Publicidade
Publicidade
Publicidade