in

Criança resgatada em barril dá detalhes impactantes sobre torturas do pai: ‘água sanitária para dar banho’

Garoto foi resgatado por uma equipe da Polícia Militar em situação desoladora, com desnutrição avançada.

G1 - R7 - Montagem

Um caso bárbaro de tortura foi descoberto na tarde do último sábado (30) em Campinas. Depois de denúncias feitas por vizinhos, uma equipe da Polícia Militar resgatou um menino de 11 anos que estava acorrentado em um barril de ferro, com mãos e pés acorrentados. Três pessoas foram presas suspeitas do crime, entre elas, o pai do garoto.

Publicidade

Segundo informações repassadas pela PM, o garoto foi encontrado sem roupa, debilitado e em estado de desnutrição avançada. Após ser libertada, a criança foi atendida por uma equipe de socorristas do Samu e encaminhada para o Hospital Ouro Verde. Ele seguirá internado na unidade hospitalar até ter a saúde e o peso restabelecido. Os resultados dos exames realizados também são aguardados.

Torturas

Em relatos comoventes após ser resgatado, o menino disse que chegou a se alimentar de fezes no tempo em que esteve acorrentado no barril, porque ninguém lhe dava comida.

Publicidade

Já no hospital, o garoto relatou a uma fonte do UOL mais alguns maus tratos que recebia do pai.

Publicidade

“Ele me disse que o homem jogava água sanitária e água fria para dar banho nele”, disse uma profissional de saúde que atendeu a vítima.

Publicidade

Tia com a tutela

Por determinação do Conselho Tutelar, a criança ficará sob a tutela da tia paterna. A mulher compareceu no Hospital Ouro Verde, e teria relatado que o menino tem problema psiquiátrico e que “dava muito trabalho”. 

O pai da criança, a namorada dele e a filha desta mulher foram detidos e encaminhados para prestar depoimento. O caso segue sob investigação das autoridades, e foi registrado na 2ª Delegacia de Defesa da Mulher de Campinas. 

Em relato inicial à polícia, o pai do menino, um auxiliar de serviços, de 31 anos, disse que a criança era “muita agitada dentro de casa”, e por isso tinha adotado essas medidas para “educá-lo”. O caso gerou forte revolta de moradores.

Publicidade
Publicidade
Publicidade