in

Sangues que não combinam representam um grande risco para a gravidez

Entenda os problemas que a incompatibilidade pode acabar gerando durante a gravidez.

Opas

A maternidade é o grande sonho de muitas mulheres, porém, alguns cuidados precisam ser considerados antes de uma gestação. É importante que a futura mamãe procure um médico para poder fazer um check-up antes de engravidar. Um dos cuidados necessários é saber o tipo sanguíneo.

Publicidade

As mulheres com sangue do tipo O, A, B ou AB negativos devem ter atenção na hora de se tornarem mães, alertam os especialistas da área. Se o companheiro tiver o sangue com fator RH positivo e transmita essa característica para a criança, o corpo da mulher pode rejeitar o bebê e acabar produzindo anticorpos contra o feto, levando dessa maneira a doenças que podem acarretar o óbito.

Para evitar esse tipo de situação, o sangue da criança precisa entrar em contato com o da mãe. No primeiro trimestre da gravidez, a possibilidade de que isso ocorra é de 3%. No parto, o risco aumento para 70%. Por esse motivo, na primeira gravidez, a criança não costuma ser afetada, já que os anticorpos aparecem no nascimento, explica o especialista, o médico Juliano Sheffer.

Publicidade

Apesar disso, é importante ter um acompanhamento especial e fazer um exame que se chama Coombs indireto. Caso haja suspeita de incompatibilidade, o médico vai recomendar que seja realizada uma transfusão sanguínea para a criança, no útero, em situações mais graves.

Publicidade

Depois que a criança nasce, ela é submetida a um exame para saber o tipo de sangue e verificar se tem o fator RH positivo. Se confirmado, a mãe precisa tomar uma vacina para poder inibir a produção dos anticorpos e proteger o segundo filho. O tratamento vai reduzir a mortalidade, em caso de incompatibilidade em uma segunda gestação.

Publicidade

Outra incompatibilidade tem o nome de isoimunização dos sistemas ABO. Isso ocorre quando a mulher tem sangue tipo O e o companheiro tipo A, B ou AB. É um tipo de reação mais leve que pode provocar icterícia e leve anemia.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Shyrlene Souza

Redatora na web desde 2016, formada em ciências contábeis, apaixonada pela redação desde criança. Escrevo sobre assuntos diversos, famosos, maternidade e notícias que se destacam no Brasil e no mundo.