in

Mulher domesticava animal selvagem há sete meses achando que fosse um gato

Depois de ter adotado um filhote pensando que era um gato, uma moradora do Pará contatou a polícia ao descobrir que era uma jaguatirica.

Reprodução/PM

Uma moradora da cidade de Baião, no Estado do Pará, acionou a Polícia Militar na última terça-feira, 26, após ter achado que perdeu o gato de estimação que ela havia adotado há cerca de sete meses, contudo, na verdade, não se tratava de um gato, mas sim de uma jaguatirica.

Publicidade

Segundo a PM do Estado do Pará, popularmente conhecida como “gato do mato”, a jaguatirica integra o grupo de animais selvagens da família Felidae e gênero Leopardus paladis.

A mulher só se deu conta de que não se trata de um simples felino quando o animal começou a crescer. Após a denúncia, a Polícia Ambiental capturou a jaguatirica. De acordo com uma nota divulgada pela PM, a polícia ambiental resgatou o animal e constatou que ele não apresentava nenhuma lesão e estava em boas condições físicas.

Publicidade

Agora, a jaguatirica está no Batalhão da Polícia Ambiental, onde deverá permanecer até que seja encaminhada a algum órgão responsável pela fauna silvestre ou para alguma instituição habilitada.

Publicidade

Um caso semelhante ao desta mulher que cuidava de jaguatirica pensando se tratar de um gato, aconteceu no ano de 2019 com uma jovem estudante. Florencia Lobo, na época com 18 anos, se mostrou extremamente feliz após ter resgatado um gato que encontrou entre as árvores na proximidade de sua casa, na província de Tucumán, na Argentina.

Publicidade

A jovem encontrou o animal enquanto pescava com o irmão e acabou ouvindo alguns ruídos vindos da parte arborizada do local. Após encontrar o suposto gato, ela decidiu adotá-lo, mas dois meses depois acabou descobrindo a verdade sobre seu mascote, isso porque, na verdade, não se tratava de um simples felino, mas sim de um puma jaguarundi, que assim como a jaguatirica, também integra uma espécie selvagem.

Na época, a estudante chegou a nomear o “gato” de Tito. Quando encontrou o animal, Tito estava acompanhado de uma outra filhote fêmea e os dois estavam mamando na mãe que já estava morta.

Publicidade
Publicidade
Publicidade