in

Cama hospitalar pega fogo e idosa de 81 anos morre carbonizada; cenário é desolador: ‘Uma tragédia’

Caso aconteceu na noite da última segunda-feira (25), na Região Metropolitana de Curitiba.

Banda B

Uma senhora de 81 anos morreu na noite desta segunda-feira (25), em Piraquara, região metropolitana de Curitiba, vítima de um incêndio. A aposentada Maria das Dores de Lima apresentava problemas de locomoção e ficava boa parte do dia em uma cama hospitalar nos fundos da casa do filho.

Publicidade

Após o início das chamas, familiares, vizinhos e pessoas que passavam pelo local tentaram efetuar o socorro, mas não obtiveram êxito, e a idosa acabou morrendo carbonizada. Informações preliminares dão conta que a suspeita é de que o motor da cama hospitalar onde Maria das Dores ficava tenha tido um curto circuito, o que possivelmente provocou o incêndio. 

As chamas se iniciaram por volta das 22h. Logo após tomarem conhecimento do incêndio, filhos e vizinhos correram para tentar controlar as chamas, bem como resgatar a aposentada. Neste ínterim, uma equipe do Corpo de Bombeiros foi acionada para o local. 

Publicidade

Relato comovente

Vizinho da família, o morador Adriano Alves, disse em entrevista ao portal Banda B que pelo fato de Maria das Dores ter dificuldade de locomoção prejudicou o socorro em meio às chamas. Ele morava em um cômodo sozinha.

Publicidade

“Eu estava saindo da casa da minha mãe, que mora bem ao lado, passei em uma lanchonete, e nisso veio uma mulher desesperada pedindo ajuda, dizendo que tinha fogo na casa. Corremos pra ajudar”, afirmou o vizinho.

Publicidade

Ainda segundo ele, a caixa d’água da casa estourou, o que deu uma pequena controladas nas chamas, mas a cortina de fumaça formada era muito forte.

“Tentaram por duas vezes entrar e tentar buscar essa senhora, mas não deu. Uma tragédia para a família, pra toda a vizinhança aqui”, completou.

De acordo com informações do Corpo de Bombeiros, o forro de PVC do cômodo e a cama ficaram completamente destruídos pelas chamas. O corpo da aposentada foi conduzido para o Instituto Médico Legal de Curitiba (IML).

Publicidade
Publicidade