in

Auxílio Emergencial não acabou: calendário de saques volta nesta segunda (25); milhões serão contemplados

Saques e transferências do benefício começaram a ser liberadas no início do mês.

Agência Brasil

Criado pelo governo federal para amenizar o cenário de crise vivenciado em função da pandemia do coronavírus, o Auxílio Emergencial tirou milhares de famílias da extrema pobreza nos últimos meses. Com o país ainda passando por um cenário delicado na luta contra a Covid-19, cresce a expectativa de que o programa possa ser prorrogado.

Publicidade

Enquanto o assunto ainda é debatido, a Caixa Econômica Federal (CEF) retoma o cronograma de liberação para saques e transferências das últimas cotas do programa. Nesta segunda-feira (25), milhões de brasileiros nascidos em novembro, poderão movimentar o montante que está em sua poupança digital, podendo sacar o dinheiro em espécie ou movimentá-lo para contas de outros bancos.

O calendário será concluído na quarta-feira (27), quando beneficiários nascidos em dezembro poderão efetuar a movimentação do dinheiro. Ao todo, somando as duas datas, a Caixa estima que 6,6 milhões de pessoas serão atendidas.

Publicidade

O banco iniciou os pagamentos em espécie em 2021 no dia 4 de janeiro, sempre pagando as cotas do programa às segundas, quartas e sextas, diferentemente do ano passado, quando também realizava os pagamentos aos sábados e domingos.

Publicidade

Confira o calendário de saques do programa:

Chances de prorrogação

As discussões acerca de uma possível renovação do Auxílio Emergencial têm crescido nos últimos dias. Além da movimentação de parlamentares, que já protocolaram projetos de lei visando a continuidade do programa, candidatos à presidência da Câmara e do Senado já manifestaram apoio à pauta.

Publicidade

Inicialmente resistente à extensão, o presidente Jair Bolsonaro já demonstra uma mudança de postura sobre o assunto. De acordo com o site Valor Econômico, o chefe do Executivo, quer prorrogar o Auxílio, mas visa efetivar a ação através de uma PEC Emergencial, uma vez que não quer romper o teto de gastos do governo. 

Publicidade
Publicidade