in

Auxílio Emergencial: Bolsonaro muda postura sobre prorrogação do benefício e decisão impacta brasileiros

Benefício atendeu 68 milhões de brasileiros no ano passado e pode retomar pagamentos nos próximos meses.

Flickr Alan Santos / Caixa

O Auxílio Emergencial continua sendo um dos temas mais comentados nas últimas semanas no cenário político e econômico. Após o término dos pagamentos em poupança digital, ocorrido final de dezembro, milhares de brasileiros aguardam ansiosamente uma definição sobre o futuro do programa criado pelo governo federal para ser uma “válvula de escape” durante a pandemia.

Publicidade

Com o cenário da Covid-19 ainda assolando o país em larga escala, diversos parlamentares entre senadores e deputados estão se mobilizando para tentar uma extensão do benefício nestes primeiros meses do ano. O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) que tanto rechaçou a possibilidade de continuar com o programa, parece que está mudando de opinião, ao menos é o que sinalizou o site Valor Econômico, do Grupo Globo.

Segundo o portal, o chefe do Executivo é favorável à renovação do Auxílio Emergencial, mas destaca que isso não pode ser feito sem que haja uma abertura no Orçamento. Pessoas ligadas à Bolsonaro disseram ao Valor que o presidente não quer romper com a cartilha de Paulo Guedes com o intuito de promover uma flexibilização no teto de gastos para custear o programa. 

Publicidade

Um novo Orçamento de Guerra também é descartado. O portal ainda afirma que nas conversas, ainda não se chegou a um valor para o auxílio. 

Publicidade


“Se não tem dinheiro, melhor nem fazer”,
disse Bolsonaro, segundo uma pessoa ouvida pelo Valor. De qualquer forma, essa movimentação e mudança de comportamento já mostra que o presidente pensa em estender o programa por mais alguns meses, surpreendendo assim milhares de brasileiros.

Publicidade

Popularidade em queda

De acordo com uma pesquisa divulgada pelo Datafolha na última sexta-feira (22), o índice de reprovação de Jair Bolsonaro aumentou após o término dos pagamentos do Auxílio Emergencial, saltando dos 32% para 40% neste início de mês. 

Além dessa discussão em torno do Auxílio Emergencial, ainda há um debate no Palácio do Planalto acerca de possíveis mudanças no programa Bolsa Família, que poderia ser ampliado, atendendo um número maior de brasileiros, bem como um aumento nas cifras pagas mensalmente aos beneficiários. O próprio presidente já falou publicamente sobre isso. 

Projetos

Enquanto o governo segue resistente a uma renovação do Auxílio, senadores e deputados já protocolaram vários projetos de lei solicitando a extensão do decreto do estado de calamidade pública, o que viabilizaria a volta do programa. Apesar de protocolos, os projetos nem sequer foram pautados no Congresso, que segue de recesso, e só retomará suas atividades no dia 1 de fevereiro.

Publicidade
Publicidade
Publicidade