in

Auxílio Emergencial: projeto apresentado prorroga benefício até abril; valores e detalhes são revelados

Benefício atendeu 68 milhões de brasileiros no ano passado e movimentação tem sido intensa para mais uma prorrogação.

Agência Brasil

O cenário de pandemia do coronavírus continua assolando a população nacional em larga escala. Diante de todas as limitações e crise econômica, milhares de brasileiros aguardam com grande expectativa uma possível extensão do Auxílio Emergencial, programa criado pelo governo federal em abril do ano passado, que funcionou como uma “válvula de escape” para minimizar os problemas financeiros.

Publicidade

Apesar do governo se mostrar contrário a uma possível continuidade do programa em 2021, diversos parlamentares estão se mobilizando nos bastidores do Congresso Nacional, para tentar viabilizar o retorno do benefício, que teve pagamentos realizados até dezembro de 2020.

Nesta semana, mais um projeto de visa a prorrogação do Auxílio Emergencial foi protocolado. O Projeto de Lei 5650/20 assinado pelo deputado Chiquinho Brazão (Avante-RJ) visa esticar o benefício até o mês de abril, com parcelas de R$ 600. A proposta está em tramitação na Câmara dos Deputados, que ainda segue em recesso e retorna suas atividades somente no dia 1 de fevereiro. 

Publicidade

Caso o auxílio não tivesse sido oferecido desde abril de 2020, o índice de pobreza teria saltado para 36% durante a pandemia. Além da queda de renda da população, o fim do benefício vai afetar a arrecadação de estados e municípios e os pequenos comércios locais
, disse Chiquinho Brazão, ao defender a continuidade do Auxílio Emergencial. 

Publicidade

Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Publicidade

As cinco primeiras cotas do programa Auxílio Emergencial foram pagas no valor de R$ 600. Diante do cenário de calamidade no sistema de saúde e economia frágil, o governo federal, em setembro, decidiu postergar o benefício por mais quatro meses, contudo, com as parcelas reduzidas em 50%.

Em pronunciamentos recentes, o presidente Jair Bolsonaro revelou que não tem pretensões de esticar o benefício por mais tempo, tendo em vista o alto endividamento do país nas medidas de contenção à pandemia.

Saques e transferências

No momento, o Auxílio Emergencial segue apenas com o cronograma de liberação para saques e transferências. O calendário vai até o dia 27 de janeiro, restando ainda mais duas datas, tirando já esta sexta (22), que contempla beneficiários nascidos em outubro. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade