in

Medicina Integrativa: um conceito amplo e mais do que necessário nos dias atuais

O que você está fazendo para você de forma objetiva para ser mais saudável?

Instituto Kemp

Muito ouvimos hoje falar da Medicina Integrativa e muitos médicos intitulam-se integrativos, mas vamos entender o real significado deste termo?

Publicidade

Bem, a Medicina Integrativa, ao contrário do que pode se pensar, não é uma especialidade da Medicina, mas sim, uma maneira do profissional medico usar todos os seus recursos e conhecimentos disponíveis dentro da medicina convencional ou não, de forma ampla e integral, a fim de individualizar o paciente e trata-lo de maneira única, contribuindo para o tratamento de doenças e principalmente para uma significativa melhora da qualidade e expectativa de vida do paciente.

Diversos recursos além da medicina convencional podem e devem ser usados na Medicina Integrativa; temos por exemplo: a Homeopatia, a Medicina Ortomolecular, a Ozonioterapia, a Medicina Quântica e Vibracional, as Múltiplas Psicoterapias, a Nutrologia, o Condicionamento Físico, o estudo do sono, da respiração, a relação com o Universo…ou seja, tudo que possa contribuir para o aumento da qualidade de vida do paciente .

Publicidade

Na Medicina Integrativa, trabalha-se com uma análise profunda de quem é o indivíduo e como este funciona e se relaciona com a vida. O indivíduo passa por uma rígida e completa anamnese e investigação clínica, metabólica, laboratorial e de imagem se necessário.

Publicidade

Somente depois desta avaliação e resultados é que podemos traçar o tratamento individualizado e personalizado para este indivíduo a fim de que ele desfrute da melhor forma de otimizar a sua qualidade de vida.

Publicidade

“Nós individualizamos o paciente e ao invés de tratarmos o diagnóstico, tratamos o paciente em todo seu contexto , como um todo, abrangendo ao máximo nossa visão, a fim de alcançar para ele, os melhores resultados”– diz a Dra. Gesika Amorim, médica integrativa, cujo currículum inclui formações em pediatria, neurologia, psiquiatria, medicina ortomolecular, homeopatia e podemos seguir.

Nunca precisou-se tanto da Medicina Integrativa, como nos dias atuais. Isto porque as pessoas estão doentes, inflamadas e intoxicadas. A imunidade está baixa e quando pensamos em alimentação, esta, apesar de maior quantidade, perde em qualidade, com excesso de sal, açúcar, processados e aditivos químicos.

Tudo isso influencia muito quando falamos em doenças degenerativas ou doenças infecciosas e com o coronavirus não seria diferente.

É preciso entender que o vírus em si não mata, o organismo hígido , consegue lidar e debelar essa infecção , porem as complicações clinicas ocorrerão mais facilmente em um indivíduo previamente doente, inflamado, obeso, com colesterol e triglicerídeos elevados, gordura no fígado, resistência insulínica ,glicose descompensada, hormônios desregulados, fumante e com doenças prévias.

Resumindo, alguém cujo organismo já se encontra travando uma batalha diária para se manter “saudável” e que ao adquirir o vírus, pede arrego, perde essa capacidade de adaptação e entra em falência.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Anna Müller

Bastante ativa nas redes sociais, escrevo conteúdo sobre os mais diversos assuntos para a plataforma i7 Network.