in

Bolsonaro responde João Doria após ser chamado de ‘facínora’: ‘É discurso de quem não tem discurso’

Em entrevista exclusiva, Jair Bolsonaro comentou sobre as críticas feitas pelo governador de São Paulo diante do caos no Amazonas.

Reprodução/Youtube/Jovem Pan

Na sexta-feira (15), o presidente Jair Bolsonaro rebateu as críticas feitas pelo governador do Estado de São Paulo, João Doria (PSDB). Ao comentar sobre o caos que o Amazonas vem sofrendo diante do aumento no número de casos da Covid-19, falta de leitos e insumos básicos, o governador chegou a chamar Bolsonaro de “facínora” e ainda pediu que a população começasse a reagir contra ele.

Publicidade

Em entrevista exclusiva para o programa Os Pingos nos Is, da Jovem Pan, Jair Bolsonaro respondeu às críticas de Doria afirmando que o acusar de facínora e genocida “é discurso de quem não tem discurso”. E mais, ainda durante a entrevista, o mandatário chegou ainda a comentar sobre o aumento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, o ICMS, que foi proposto pelo governador de São Paulo. Para propor o aumento, Doria ressaltou as perdas financeiras sofridas diante da pandemia do novo coronavírus.

Para falar no assunto, Bolsonaro ressaltou que o aumento proposto pelo governador “ajuda na pandemia e inflação”, por isso, ressalta que tem que ter muita coragem para falar uma “besteira” igual a que Doria teria falado sobre ele. E mais, o mandatário afirmou ainda que o governador pega tudo de ruim que vêm acontecendo e coloca em seu colo, no entanto, não menciona o fato de o STF ter cometido um equivoco ao tirar a responsabilidade do governo federal sobre as medidas da pandemia.

Publicidade

Questionado sobre a situação caótica do Amazonas, Bolsonaro confessou que poderia estar participando mais ativamente, contudo, diz ter sido “proibido pelo Supremo Tribunal Federal”, que optou que quem lidará com a crise da pandemia é os estados e municípios.

Publicidade

Bolsonaro disse ainda que os problemas começaram a surgir no Amazonas apenas na última semana, quando, segundo ele, “a temperatura subiu”.

Publicidade
Publicidade
Publicidade