in

Mandetta faz novas revelações impactantes sobre descaso de Bolsonaro contra a Covid e ataca: ‘Perverso’

Luiz Henrique Mandetta foi o primeiro ministro de Saúde na gestão de Bolsonaro e foi desligado do cargo no ápice da pandemia em 2020.

Agência Brasil

Esta semana, a cidade de Manaus protagonizou um verdadeiro caos devido o aumento exponencial de novos casos da Covid-19. Sobrecarregadas, as unidades hospitalares da capital amazonense esbarraram na falta de oxigênio, o que gerou mortes e um cenário de desespero total por parte de profissionais da saúde e familiares de pacientes internados com a doença.

Publicidade

Em entrevista concedida à Globo News nesta sexta-feira (15), o ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, revelou que explicou ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre a falta e a importância do oxigênio, quando liderava a pasta, na época em que o Amazonas já passava por um colapso sem precedentes por conta da pandemia.

Diante do novo surto de casos da Covid-19, que eclodiu nos últimos dias na cidade manauara, a demanda por oxigênio hospitalar aumentou em mais de onze vezes, acarretando na falta do insumo, que provocou a morte de vários pacientes por asfixia. 

Publicidade

Mandeta disse ser muito triste falar sobre esse assunto já que teria abordado esse tema com Bolsonaro evidenciando o problema da falta dos cilindros de oxigênio. Ele relembra que deu o exemplo do colapso parcial que a Itália passou na cidade de Bergamo. Ou seja, segundo o ex-ministro, ele avisou o presidente sobre o problema da falta desse importante insumo.

Publicidade

Ainda segundo Mandetta, a crise pela falta de oxigênio já era prevista há, no mínimo, um mês de antecedência. O ex-ministro criticou a falta de monitoramento e planejamento.

Publicidade

Perverso 

Por fim, Mandetta classificou a gestão de Jair Bolsonaro como um “governo perverso”

“Tem gente que fala ‘isso é uma loucura’. Loucura tem tratamento. Outras palavras você poderia colocar, mas a perversidade me parece que é o adjetivo que eu encontrei com maior similaridade, porque é quando você tem conhecimento das consequências da sua ação”, disparou o ex-ministro da Saúde.

Casos em alta

O início de 2021 tem sido impactado pelo um crescimento enorme de casos da Covid-19 em solo nacional, a média diária de óbitos voltou a casa dos 1 mil mortos. Em Manaus, além da saúde, o sistema funerário também vem sendo impactado.

Segundo o último balanço divulgado, o Brasil acumula mais de 208 mil mortes em decorrência da Covid-19 – índice negativo que só fica atrás dos Estados Unidos, que computam mais de 392 mil óbitos.

Publicidade
Publicidade
Publicidade