in

Economista afirma que o Auxílio Emergencial voltará a ser pago em 2021 e traz detalhes: ‘Probabilidade enorme’

Benefício tem calendário de saques previstos até o final do mês; seis datas ainda serão disponibilizadas.

Agência Brasil

Criado em abril do ano passado para ser uma alternativa de manter a economia em movimento, o Auxílio Emergencial ajudou quase 70 milhões de brasileiros, tirando um grande número da extrema pobreza. Diante do término dos pagamentos do benefício, ocorrido no final do ano passado, há a expectativa de uma possível extensão do programa em 2021.

Publicidade

Mesmo o governo federal sendo enfático ao afirmar que não tem pretensões de esticar o benefício por mais tempo, afirmando temer que o país entre em um colapso financeiro, alguns parlamentares se movimentam para tentar prorrogar o Auxílio por mais tempo. 

Em entrevista ao portal Poder 360, o economista e fundados da MB Associados, José Roberto Mendonça, de 76 anos, afirmou que algum modelo do Auxílio Emergencial será aprovado uma vez que o cenário de crise por conta da pandemia continua sendo sinônimo de desemprego no país. 

Publicidade

“Probabilidade enorme (de ser prorrogado). Quando fevereiro chegar e ficar claro que 67 milhões de pessoas deixaram de receber o auxílio sem que o mercado de trabalho tenha melhorado”, disse Mendonça de Barros, que foi secretário de política econômica na gestão de Fernando Henrique Cardoso.

Publicidade

Ainda segundo Mendonça, o teto de gastos será furado e é praticamente impossível escapar do cenário de deterioração fiscal. 

Publicidade

Projetos

Na última sexta-feira (15), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) concedeu entrevista à rádio Jovem Pan e ao programa Brasil Urgente, da TV Bandeirantes, e afirmou que o país não tem condições de prorrogar o Auxílio Emergencial por mais tempo, alegando que o índice de inflação pode disparar em caso de retorno do programa.

Nos bastidores do Congresso Nacional, deputados e senadores já protocolaram vários projetos de lei para tentar viabilizar a prorrogação do estado de calamidade pública, bem como o Auxílio. A Casa, no entanto, segue em recesso, e só retomará suas atividades no dia 1 de fevereiro.

Publicidade
Publicidade
Publicidade