in

Auxílio Emergencial: Projeto de Lei é apresentado e pede extensão do benefício até junho; conheça os valores

Benefício continua com calendário de saques e transferências em 2021 referentes a 8ª e 9ª parcela, mas futuro segue indefinido.

Agência Brasil - Caixa

Os pagamentos do Auxílio Emergencial foram concluídos na semana passada. Contudo, diante do cenário de crise por conta da pandemia do coronavírus, milhares de brasileiros ainda alimentam a expectativa de que o programa possa continuar por mais alguns meses em 2021.

Publicidade

Apesar do governo se posicionar contra, diversos parlamentares já se movimentam com a criação de projetos de lei para estender o decreto de Estado de Calamidade e consequentemente o programa que ajudou quase 68 milhões de brasileiros em 2020. 

Nesta semana, o líder do PDT no Senado, Weverton Rocha (MA), apresentou um projeto de decreto legislativo sugerindo que um novo estado de calamidade pública seja implantado, em função do cenário delicado no combate à Covid-19. Na proposta, o senador propõe que o decreto seja estendido até o dia 30 de junho de 2021, e com isso permitiria o retorno do pagamento do Auxílio Emergencial até esta data. 

Publicidade

No ano passado, Weverton Rocha foi relator do projeto que determinou o estado de calamidade pública em solo nacional. No momento, o parlamentar já não exerce a mesma função, e diante disso precisa conquistar o apoio de outras bancadas para que o assunto seja pautado no Congresso.

Publicidade

“Apresentei um projeto que prorroga o estado de calamidade por mais 180 dias. A proposta é muito importante para o Brasil. O texto vai permitir gastos na área de saúde para comprar, por exemplo, vacina. Possibilita também a prorrogação do auxílio emergencial de R$ 600,00”, disse o senador Weverton Rocha, em seu perfil no Twitter.

Publicidade

Governo já se posicionou

Mesmo diante de toda essa movimentação, o governo federal se mostra contrário à extensão do Auxílio Emergencial em 2021. Segundo o presidente Jair Bolsonaro a decisão é tida como inviável, e deixaria o país em um cenário ainda mais delicado economicamente, tendo em vista o elevado custo mensal que o programa representou nos últimos meses. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade