in

Pastor famoso morre vítima da Covid-19 e fiéis ficam desolados com a perda: ‘marcou muito a vida da igreja’

Religioso estava internado desde o dia 12 de dezembro e precisou ser entubado neste período.

Pinterest - Imagem Meramente Ilustrativa

A pandemia do coronavírus fez mais uma vítima no âmbito religioso. Figura bastante conhecida no cenário evangélico, o pastor Ari Guedes Cunha morreu na madrugada deste sábado (2), em Petrópolis, no Rio de Janeiro, em função de complicações oriundas da Covid-19. Ele tinha 74 anos e era presidente do Conselho de Ministros Evangélicos do município que fica na Região Serrana do Rio.

Publicidade

Ari Guedes estava internado no Hospital Unimed desde o dia 12 de dezembro. De acordo com familiares, um dia após o Natal, o estado de saúde do religioso se agravou, sendo necessário a entubação. Apesar do quadro de melhorar nos últimos dias do ano, o pastor voltou a ficar em uma situação delicada e não resistiu. 

Sepultamento

O enterro do pastor está marcado para ocorrer neste domingo (3), às 10h, no Cemitério Jardim do Éden, situado em Mesquita, no Rio. Por conta de todos os protocolos em função da morte do religioso ter sido por Covid-19, a cerimônia será restrita aos familiares, que acompanharão o sepultamento à distância. 

Publicidade

Ari Guedes deixa a esposa, quatro filhos e oito netos. Além disso, o religioso deixa um expressivo legado construído dentro da Igreja Metodista. 

Publicidade

Em entrevista ao G1, Rogério Santos Silveira, pastor auxiliar em Petrópolis, fez questão de destacar o papel de importância de Ari para com fiéis da Metodista. O religioso de 74 anos foi um dos pioneiros da igreja no estado do Rio de Janeiro, na década de 1990, sendo influente e referência para muitos. 

Publicidade


“Então, ele marcou muito a vida e a história da Igreja Metodista, principalmente no estado do Rio de Janeiro”,
disse Rogério, que foi assistente de Ari Guedes por muito tempo, e tinha um forte laço de afetividade para com o religioso. 

Publicidade
Publicidade