in

OMS faz alerta preocupante sobre a pandemia e assusta população mundial: ‘Pode ser pior’

Pandemia do coronavírus já vitimou quase 2 milhões de pessoas em todo o mundo.

Exame

A pandemia do coronavírus segue assolando a população mundial em larga escala. Muitos países do mundo inclusive já vivenciam uma segunda onda de infecção da doença. Embora o processo de vacinação já tem começado em alguns países e esteja avançado para ser iniciado em outros, o cenário ainda é preocupante, e distante de uma normalização.

Publicidade

Nesta segunda-feira (28), o diretor de emergências da Organização Mundial de Saúde (OMS), Michael Ryan, fez uma alerta afirmando que a pandemia da Covid-19 talvez não seja a “grande” pandemia, e que o mundo precisa estar preparado para algo que pode ser muito pior no futuro. 

“Se tem uma coisa que precisamos aprender com essa pandemia, com toda a tragédia e perda, é que precisamos nos organizar. Temos que nos preparar para algo que pode ser ainda mais grave no futuro”, alertou Ryan, em coletiva de imprensa realizada em Genebra, na Suíça, nesta segunda-feira (28). 

Publicidade

Segundo Ryan, a taxa de letalidade da Covid-19 é razoavelmente baixa se comparada com outras doenças emergentes. 

Publicidade

“Isso é um alerta. O planeta é frágil. Essas ameaças vão continuar”,  pontuou o diretor da OMS.

Publicidade

No último sábado (26), Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da entidade, já havia alertado que a pandemia da Covid-19 não seria a última que o mundo teria que enfrentar. 

Riscos de ser endêmico

Ainda na coletiva, Ryan afirmou que o coronavírus ainda pode se tornar endêmico na humanidade. Ou seja, corre o risco de nunca desaparecer. 

Números 

De acordo com o balanço mais recente divulgado, o mundo já se aproximava de 81 milhões de casos da Covid-19. O índice de mortes já ultrapassa 1,76 milhão, e em muitos países o crescimento tem sido alto. Após algumas semanas de queda, o Brasil passou a registrar um aumento significativo nos números de novos casos e mortes em decorrência da Covid-19. 

Publicidade