in

Pesquisador sobrevive a ataque de leão faminto e comove ao relatar detalhes: ‘Gritei de dor’

O ataque aconteceu enquanto o pesquisador estava acampando em Botsuana, no Sul da África

Extra

Um homem por muito pouco não perdeu a vida por causa de um ataque de um dos animais mais ferozes da natureza. O pesquisador e ambientalista conseguiu sobreviver a um violento ataque de leão. Ele entrou em luta corporal com o rei da selva enquanto estava acampando em Botsuana, que fica no Sul da África.

Publicidade

O ataque aconteceu no último dia 7 de dezembro, porém a informação somente ganhou repercussão na imprensa internacional nos últimos dias. Gotz Neef, o ambientalista de 32 anos, dormia tranquilamente quando escutou um barulho do lado de fora da sua barraca que estava erguida no Delta Okavango.

Quando viu um contorno de um nariz sendo pressionado em sua barraca, o homem deu um soco colocando toda sua força, antes de notar que havia deixado enfurecido um leão faminto do lado de fora. Nos cinco minutos que seguiram, o pesquisador foi obrigado a luta pela vida com o grande predador.

Publicidade

“Eu não sabia o que estava fora da minha barraca e comecei a pedir ajuda e bater no nariz com o punho o mais forte possível e então ele me atacou e começou a me morder e me machucar. Tentei recuar para um canto da minha barraca e tentei afastar o leão com o meu saco de dormir, mas ele estava determinado a me atacar. Ele mordeu um braço e gritei de dor”, contou Gotz durante uma entrevista.

Publicidade

O ataque do animal enfurecido somente cessou quando um colega, o também pesquisador Rainer von Brandis, que estava na barraca ao lado, socorreu o colega conseguindo afugentar o animal com um galho. Na sequência, outras pessoas também ajudaram. Contudo, o grupo teve que sacrificar o leão, pois ele não tinha mais habilidade e força para poder correr atrás da própria caça e por esse motivo teria entrado no acampamento a procura de uma refeição mais fácil.

Publicidade

O ambientalista precisou viajar três horas até encontrar o hospital mais próximo. Ele teve 16 marcas profundas de mordidas no braço esquerdo, cabeça e ombros.

Publicidade
Publicidade
Publicidade