in

Bolsonaro deve lançar substituto do Auxílio Emergencial em 2021 e valores do programa são relevados

Benefício começou a ser pago em abril e já atingiu quase 68 milhões de brasileiros nesta pandemia.

Agência Brasil

Alento de milhares de brasileiros nos últimos meses, o Auxílio Emergencial reaqueceu a economia nacional em tempos de crise por conta da pandemia do coronavírus. O benefício, no entanto, tem seu cronograma de pagamento fixado até o final deste ano, e o governo já sinalizou que não estenderá o programa em 2021.

Publicidade

Apesar deste cenário de término de pagamentos, o governo federal busca alternativas para viabilizar um novo programa. Há alguns meses chegou a ser cogitado a criação do Renda Cidadã, que viria pra ser um substituto do Bolsa Família. O programa, contudo, acabou travando por questões de financiamento.

Diante desta situação, a expectativa é o próprio Bolsa Família seja ampliado a um grupo maior de pessoas, e que conte com um reajuste no valor das parcelas, para auxiliar os brasileiros durante o tempo de crise. 

Publicidade

De acordo com o blog da colunista Andréia Sadi, do Grupo Globo, integrantes da cúpula do governo buscam alternativas para fazer com que a popularidade de Jair Bolsonaro continue em alta, uma vez que o Auxílio Emergencial elevou a aceitação do chefe do Executivo em várias regiões do país. 

Publicidade

Apesar disso, a ala econômica do governo argumenta que não é possível manter o pagamento do auxílio sem furar o teto de gastos.

Publicidade

Valores

Segundo informações do jornalista Lauro Jardim, do O Globo, Jair Bolsonaro já avisou ao ministro Paulo Guedes sobre o substituto do Auxílio Emergencial. O colunista aponta que o presidente afirmou que o substituto do programa deve começar a valer em janeiro de 2021, e não pode ter um valor inferior a R$ 300, cota que tem sido paga no auxílio residual, fixado em setembro. O Bolsa Família será ampliado a uma faixa maior da população brasileira.

Sem conversa

Na última semana, Bolsonaro voltou a afirmar que o Auxílio Emergencial não será estendido, e foi enfático ao revelar que proibiu a cúpula do seu governo de falar sobre o Renda Cidadã.


“Quem falar em Renda Brasil, eu vou dar cartão vermelho, não tem mais conversa”
, disse Bolsonaro em entrevista ao programa Brasil Urgente, da TV Bandeirantes. 

Ainda na entrevista, Bolsonaro sinalizou que o foco do governo agora é o Bolsa Família. 

“Vamos tentar aumentar um pouquinho isso aí”, pontuou o chefe do Executivo. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade