in

Crime bárbaro contra menina de 5 anos gera grande comoção e revolta; bombas foram lançadas na delegacia

Clima ficou tenso no entorno da delegacia onde acusado de crime bárbaro prestava depoimento.

G1

O crime bárbaro cometido contra a pequena Maria Clara, de 5 anos, comoveu o país. Desaparecida desde a última quinta-feira (17), a criança foi encontrada sem vida dentro de uma caixa de papelão próxima à sua residência, em Hortolândia, no interior de São Paulo.

Publicidade

Após exames periciais, ficou constatado que ela foi estuprada e na sequência asfixiada até a morte. O acusado pelo crime brutal é Cássio Martins Camilo, que depois de negar qualquer tipo de responsabilidade pela ação, confessou o crime em depoimento à polícia. O homem, que já tem passagem pela polícia por crime de estupro, tentava fugir e foi encontrado em Campinas. 

“Esse indivíduo foi localizado, foi trazido até as nossas dependências e aqui ele confessou a prática do delito, onde ele teria estuprado a criança e posteriormente a matado”, afirmou o delegado João Jorge Ferreira da Silva. 

Publicidade

Clima tenso

Após o corpo de Maria Clara Calixto Nascimento, equipes de reportagens acabaram sendo agredidas por moradores que estavam na região, dois carros foram danificados.

Publicidade

Quando Cássio Martins Camilo foi preso, os protestos se intensificaram ainda mais. O clima ficou tenso no entorno da delegacia. Além de xingamentos e gritos contra o criminoso, moradores jogaram bombas de fumaça para a área interna do imóvel, e ainda queimaram pneus na rua.

Publicidade

A polícia teve que agir e foi até o local tentar conter os moradores. Depois de uma longa conversa, os protestos foram encerrados.

Durante o processo de investigação, a polícia tentará descobrir se o padrasto da criança agiu sozinho ou contou com auxílio de alguém para executar a ação bárbara. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade