in

Filha de vítima fatal da Covid-19 faz desabafo comovente: ‘Escolhi o caixão do meu pai por WhatsApp’

Antonio tinha vida ativa antes da pandemia do coronavírus, mas não resistiu às complicações oriundas do vírus.

Metrópoles

A pandemia do coronavírus continua assolando famílias brasileiras em número elevado nos últimos meses. Natural de Chapecó, no Oeste de Santa Catarina, Antonio Carlos de Moraes, de 65 anos, foi mais um a perder a batalha para a Covid-19. Depois de quase um mês lutando no Hospital Regional do Oeste, ele acabou não resistindo.

Publicidade

Foram 24 dias de internação na Unidade de Terapia Intensiva, e as complicações oriundas da Covid-19 acabaram sendo mais fortes que ele, que se tornou a 82ª vítima fatal da doença no município. 

Em entrevista ao portal ND+, a filha de Antonio Carlos, Giceli Moraes, de 37 anos, comoveu no desabafo. Segundo ela, a maior dor foi não poder ver o pai. O falecimento do paciente ocorreu após uma parada cardiorrespiratória e no mesmo dia do aniversário de seu neto mais velho, Gabriel Willian, que na oportunidade completara 18 anos.

Publicidade


“Em vez de comemorar, eu estava escolhendo o caixão para meu pai. Escolhi tudo pelo WhatsApp, até a roupa para a despedida dele”
, disse Giceli, que reside em Balneário Camboriú, e teve que se deslocar para o Oeste do estado para acompanhar o sepultamento do pai. 

Publicidade

Encontro com o neto

Poucos dias antes de ser internado com Covid-19, Antonio conheceu o neto mais novo, João Alexandre, de 10 meses. Como recordação, a família guarda carinhosamente um vídeo registrado do bebê no colo do avô. 

Publicidade

Comorbidades

Em julho deste ano, em uma ida para o trabalho, Antonio acabou quebrando o pé. Ao passar por uma bateria de exames, ele descobriu que estava com diabetes

No dia 8 de outubro, ele foi internado após apresentar problemas cardíacos, mas se recuperou em três dias e recebeu alta. Semanas depois, ele foi internado com suspeita de Covid-19, e o que mais a família temia se tornou realidade, Antonio acabou contraindo o vírus. 

“Ele é meu herói, e tenho o maior orgulho em dizer que sou filha dele. A dor é muito grande, mas jamais será esquecido e o seu legado continuará”, afirma Giceli.

Publicidade
Publicidade
Publicidade