in

Por que as pessoas se aglomeram mesmo sabendo dos riscos? Especialista no assunto explica motivo

A dificuldade em manter o autocontrole ajuda a explicar o comportamento de quem coloca a si e ao próximo em perigo.

G1

Publicidade

Por que as pessoas se aglomeram mesmo sabendo dos riscos? O especialista em psicologia, Altay de Souza, abordou o tema em uma entrevista. Ele disse que a dificuldade em manter o autocontrole auxilia a explicar o comportamento de pessoas que colocam a si mesmas e ao próximo em perigo, participando de aglomerações e até mesmo de festas clandestinas, mesmo sabendo da proliferação do vírus da Covid-19 em boa parte do Brasil.

O especialista afirma que a falta de autocontrole e do exercício de paciência coloca em risco muitas pessoas e, com isso, contribuído para internações e mortes. O profissional ressaltou que esse tipo de comportamento não é apenas coisa dos jovens, mas surge em várias pessoas.

Publicidade

O que ocorre é que os jovens estão menos propensos a pensar no futuro a longo prazo. Eles têm uma dificuldade maior em associar ação com resultado. O especialista explicou ainda que o autocontrole é a capacidade de se aguardar para ter um ganho maior no futuro, ou seja, esperar.

Publicidade

De acordo com a explicação do profissional, o jovem não acha que a avó ficará doente por causa dele, se ele sair para tomar uma cerveja no fim de semana e isso acontece porque ele tem dificuldade de associar a ação com o resultado. Ele ainda ressaltou que isso ocorre com grande parte das pessoas, mas nos adolescentes é muito mais forte.

Publicidade

O psicólogo faz uma análise e é contundente em dizer que o desgaste não atinge apenas a população jovem. Ele reforça que o cansaço não está ligado diretamente ao isolamento social imposto pela pandemia, mas sobre o fato da pessoa não poder escolher. A falta de controle, a questão de escolher sair ou não, acaba provocando grande insegurança na maior parte das pessoas.

Infelizmente, os números de mortos por causa do coronavírus têm aumentado cada vez mais. As festas de fim de ano podem fazer que a situação acabe se tornando mais grave ainda. No país, o número de vítimas fatais já ultrapassou 181 mil e mais de milhões de infectados com a doença. Portanto, o distanciamento social é, por enquanto, uma das melhores maneiras de se evitar a proliferação desenfreada do vírus.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Shyrlene Souza

Redatora na web desde 2016, formada em ciências contábeis, apaixonada pela redação desde criança. Escrevo sobre assuntos diversos, famosos, maternidade e notícias que se destacam no Brasil e no mundo.