in

Auxílio Emergencial 2021: movimentação no Congresso traz boas notícias sobre prorrogação do benefício

Última parcela do benefício prevista começou a ser paga a partir deste domingo (14) para pessoas fora do Bolsa Família.

Agência Brasil

‘Válvula de escape’ de milhares de brasileiros nos últimos meses, o Auxílio Emergencial está próximo de ter o seu calendário de pagamentos concluído, conforme ficou previsto na medida provisória que determinou a extensão mais recente do programa. Apesar do governo federal discursar em tom de término do benefício, já há uma movimentação de parlamentares na busca por mais uma prorrogação.

Publicidade

De acordo com um blog do jornal Correio Braziliense, em reportagem assinada pela jornalista Rosana Hessel, na última segunda-feira (13), o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) apresentou um projeto de lei que estende o Auxílio Emergencial e prorroga o estado de calamidade pública até o dia 31 de março de 2021. 

Intitulado de Projeto de Lei nº 5495/2020, a medida prevê que o governo continue pagando as parcelas de R$ 300 para os beneficiários, e R$ 600 para mães chefes de família. 

Publicidade

Em contato com o Blog do Vicente, a assessoria do senador disse que ele “está costurando acordos” para que o Projeto de Lei entre na pauta das votações do esforço concentrado do Congresso Nacional desta semana.

Publicidade


“A aprovação do auxílio emergencial foi um passo correto e essencial para darmos uma primeira resposta à crise que a pandemia acarreta, mas, para combatermos os prejuízos econômicos que se estendem, faz-se necessário prorrogar o prazo inicialmente previsto para o auxílio”
, disse o senador Alessandro Vieira, que atua como vice-líder do Cidadania no Senado. 

Publicidade

Posicionamento do governo

Antes do surgimentos deste Projeto de Lei apresentado no Senado, o governo federal já havia sinalizado que o Auxílio Emergencial não seria continuado em 2021. Em evento no início do mês no Paraná, o presidente Jair Bolsonaro disse que perpetuar benefícios seria o “caminho para o insucesso”.

Responsável pelo Ministério da Economia, Paulo Guedes chegou a discursar abrindo uma possibilidade de extensão do programa, caso o Brasil passasse por uma segunda onda da Covid-19, posteriormente, no entanto, o líder da pasta decretou que o programa seria encerrado definitivamente neste mês.

Publicidade
Publicidade