in

Auxílio Emergencial 2021: governo busca alternativas se tiver que prorrogar benefício e detalhes vem à tona

Benefício começou a ser pago em abril e já atingiu quase 68 milhões de brasileiros nesta pandemia.

Agência Brasil

Alento dos brasileiros nos últimos meses, o Auxílio Emergencial está bem próximo de ter o seu ciclo de pagamentos encerrado. Conforme ficou estabelecido na última medida provisória que esticou o programa, o benefício será pago até o final deste mês. Apesar do cenário de ampla expectativa dos brasileiros acerca de uma nova extensão, o governo federal já manifestou algumas vezes que não há a intenção de esticar o auxílio para o próximo ano.

Publicidade

Contudo, apesar deste cenário, o site Notícias Concursos aponta nesta segunda-feira (14), que a equipe econômica do governo Jair Bolsonaro já estuda uma forma de estender o programa se os números da pandemia do coronavírus permaneceram elevados, evidenciando assim uma segunda onda. 

De acordo com o ministro da Economia Paulo Guedes, o governo já sabe são os beneficiários que “realmente precisam” continuar com o recebimento do programa. Recentemente, o responsável pela pasta chegou a admitir a possibilidade de uma extensão do benefício em caso de segunda onda. No entanto, em declarações mais recentes, Guedes distanciou a possibilidade de extensão do programa, dando o mesmo com finalizado neste mês. 

Publicidade

Olho no teto

O grande desafio e dilema da equipe econômica acerca de uma nova prorrogação do Auxílio se deve ao risco de furar o teto de gastos. Ou seja, os gastos do governo não podem crescer em um ritmo mais expressivo do que a inflação. 

Publicidade

A emenda constitucional do referido teto de gastos autoriza que o governo utilize um crédito extraordinário para seja coberto despesas urgentes e não previstas. No entanto, segundo o Estadão, a Secretaria de Orçamento do Ministério da Economia já sinalizou que a extensão do Auxílio não pode ser feita com o crédito extraordinário após o término do decreto de estado de calamidade pública e do “orçamento de guerra”, que acabam neste mês junto com o Auxílio. 

Publicidade

Palavra do presidente

Participando de um evento no início do mês em Foz do Iguaçu, o presidente Jair Bolsonaro foi enfático ao comentar sobre uma possível nova extensão do Auxílio Emergencial. Ao lado do presidente paraguaio Mario Abdo Benítez, o chefe do Executivo nacional disse que perpetuar benefícios é o “caminho para o insucesso”.

Apesar de todo este cenário de negativa do governo, parlamentares se movimentar para brigar por uma nova extensão do benefício.

Publicidade
Publicidade
Publicidade