in

Auxílio Emergencial: cronograma de pagamentos será movimentado nesta semana; quem recebe?

Benefício começou a ser pago em abril e já atingiu quase 68 milhões de brasileiros nesta pandemia.

Agência Brasil

Em curso final de pagamentos, o Auxílio Emergencial foi um alento para milhões de brasileiros nos últimos nove meses e foi responsável por manter a economia nacional em funcionamento. Neste domingo (13), foi iniciado o depósito em poupança digital da última cota para beneficiários fora do programa Bolsa Família, que tiveram o início do pagamento na última quinta (10).

Publicidade

O cronograma de pagamentos do Auxílio Emergencial em depósito na poupança digital vai até o dia 29 de dezembro. No entanto, saques em dinheiro e transferências bancárias só irá ocorrer em janeiro de 2021, com exceção dos beneficiários nascidos em janeiro e fevereiro, que terão o acesso ao montante de R$ 300 em espécie nos últimos dias do ano.

Vale lembrar que o próximo calendário de saques dará direito aos saques do ciclo 5 e ciclo 6 do benefício.

Publicidade

Cronograma semanal

Segunda-feira (14)

Publicidade
  • Beneficiários Bolsa Família – NIS final 3
  • Beneficiários inscritos via app, site e CadÚnico nascidos em MARÇO


Terça-feira (15) 

Publicidade
  • Beneficiários Bolsa Família – NIS final 4

Quarta-feira (16)

  • Beneficiários Bolsa Família – NIS final 5
  • Beneficiários inscritos via app, site e CadÚnico nascidos em ABRIL

Quinta-feira (17)

  • Beneficiários Bolsa Família – NIS final 6
  • Beneficiários inscritos via app, site e CadÚnico nascidos em MAIO

Sexta-feira (18)

  • Beneficiários Bolsa Família – NIS final 7
  • Beneficiários inscritos via app, site e CadÚnico nascidos em JULHO

Sábado (19)

  • Liberado saque em dinheiro e transferência bancária do ciclo 5 e ciclo 6 para nascidos em janeiro e fevereiro.

Domingo (20)

  • Beneficiários inscritos via aplicativo, site e CadÚnico nascidos no mês de JULHO e AGOSTO recebem o pagamento do ciclo 6.

Sem prorrogação?

O futuro do Auxílio Emergencial segue incerto. Publicamente, o governo federal através do ministro da Economia Paulo Guedes e o presidente Jair Bolsonaro, já deixaram claro a intenção de não estender o programa por mais tempo. Nos bastidores, alguns parlamentares se movimentam para solicitar no Congresso que o benefício continue sendo pago.

Guedes chegou a cogitar a possibilidade da nova prorrogação ocorrer em caso do Brasil protagonizar uma segunda onda da Covid-19, o que para muitos especialistas da área da saúde já se iniciou. No entanto, o responsável pela pasta não falou mais sobre este tipo de postura, e nos últimos discursos falou em tom de encerramento do programa.

Publicidade
Publicidade
Publicidade