in

Hospital faz confusão com corpos de vítimas da Covid-19 e revolta familiares; corpo teve que ser desenterrado

Caso aconteceu nesta semana no litoral paulista e causou grande revolta; hospital se pronunciou.

G1

Um hospital de Santos, no litoral paulista, acabou protagonizando uma negligência que revoltou familiares de vítimas da Covid-19. Não bastasse a dor de perder um ente querido, as duas famílias ainda tiveram que conviver com o drama de ter os corpos das vítimas trocados. O corpo de Márcia Pereira Franco, de 48 anos, foi confundido e enterrado no lugar de Marcelo Aninguaço, de 72 anos.

Publicidade

Em nota, a unidade hospitalar pediu desculpas pelo ocorrido e garantiu uma sindicância para acompanhar o caso. 

De acordo com familiares, em entrevista ao G1, ambos os pacientes ficaram internados na unidade hospitalar por 21 dias, após serem infectados pela Covid-19, e vieram à óbito na última quarta-feira (9). No processo de tratamento contra o coronavírus, Marcelo ficou internada no Hospital Vitória, enquanto Márcia estava no Hospital Ana Costa. Após os falecimentos, os dois foram encaminhados para o Hospital Beneficência Portuguesa de Santos. Na unidade, eles foram preparados para o sepultamento.  

Publicidade

Segundo a sobrinha de Márcia, Gabryella Franco Nogueira, de 27 anos, um funcionário da funerária percebeu o erro na hora de levar o corpo da vítima para o cortejo. 

Publicidade

Revolta

A família do idoso foi avisada na sequência, mas já havia realizado o sepultamento de um corpo que, na realidade, não era ele, e sim de Márcia. Após a identificação do erro, o corpo da mulher foi desenterrado e encaminhado novamente para o hospital, onde foi realizado um novo reconhecimento por familiares. Diante disso, a família de Marcelo teve que realizar dois sepultamentos em um curto intervalo de tempo. Ambas as famílias se mostraram indignadas pelo equívoco da unidade hospitalar.

Publicidade

“A gente via matérias desse tipo e ficava indignada. Nunca pensei que fosse passar por isso aqui em Santos. A gente só queria oferecer um enterro digno para ele, já que ele não teve um velório, e até isso eles tiraram da gente”, desabafa a filha de Marcelo, Márcia Bastitas de Oliveira, de 35 anos.

Publicidade
Publicidade