in

Tragédia: menino de 7 anos morre após ser atropelado por trator conduzido pelo próprio pai

Caso aconteceu na tarde do último sábado em Paranoá, no Distrito Federal e causou forte comoção.

Correio Braziliense

Um menino de apenas 7 anos de idade morreu no último sábado (5), no Núcleo Rural Desembargador Colombo Cerqueira, no Paranoá, Distrito Federal, após ser atropelado pelo pai, que estava conduzindo um trator do tipo pá carregaria. O caso está sendo investigado pela Polícia Civil da capital federal e é tratado como homicídio culposo, quando não há a intenção de matar.

Publicidade

No momento do trágico incidente, o homem de 29 anos trabalhava com o veículo, quando o filho de 7 anos resolveu andar de bicicleta próximo do local. O pai acabou não visualizando o garoto, e passou por cima dele de forma acidental com o trator. O caso gerou forte comoção. Informações sobre velório e sepultamento do menino não foram divulgados até o fechamento da matéria.

Ferida, a criança ainda chegou a ser socorrida junto ao plantão do Hospital Regional do Paranoá. Contudo, após ser atendido por uma equipe médica, menino teve óbito constatado por politraumatismo. Policiais da 6ª DP foram até o local do incidente e ao detectarem os vestígios de atropelamento, solicitaram perícia do Instituto de Criminalística (IC). O caso segue sob apuração da polícia.

Publicidade

Não foi detido

De acordo com apuração do jornal Correio Braziliense, o pai do garoto não ficou detido pelo crime, uma vez que o delegado plantonista destacou, no relatório, o artigo 121, inciso 5º do Código Penal Brasileiro (CPB).

Publicidade

“Prescreve a desnecessidade da aplicação da pena, nos casos em que o autor é atingido gravemente pelas consequências da infração, em que é inconteste a dor experimentada pelo autor, pois, ainda que por negligência ou imperícia, ceifou a vida do próprio filho”, disse o delegado responsável pelo caso do relatório que determinou a não prisão do pai da criança durante as investigações do caso. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade