in

Mãe de menina morta por bala perdida se revolta em desabafo contra PMs: ‘Eles só sabem isso, dar tiro’

Familiares, amigos e movimentos de causa negra fizeram um protesto no centro de Duque de Caxias neste domingo (6).

TV - Globo

As mortes das pequenas Emilly Victoria, de 4 anos, e Rebecca Beatriz, de 7 anos, comoveu o Brasil na última sexta (4). As duas crianças brincavam em frente à residência delas em uma comunidade de Duque de Caxias, quando foram alvejadas por uma mesma bala perdida. A mais nova foi atingida na cabeça, enquanto Rebecca, no tórax. Socorridas, elas acabaram não resistindo aos ferimentos.

Publicidade

Depois de um sepultamento comovente no último sábado (5), familiares das primas, amigos e movimentos se reuniram na tarde de ontem (6), na Praça Raul Cortez, no Centro de Duque de Caxias, para pedir Justiça.

Mãe desabafa

Durante o ato, a mãe de Emilly, Ana Lúcia Silva Moreira, voltou a reforçar o discurso de que no momento em que a filha e a sobrinha foram alvejadas não havia confronto, operação policial ou tiroteio. 

Publicidade

“Eles só sabem fazer isso, dar tiro. Olhou, dá tiro. Quando percebi, eu só peguei o documento. Porque eu já sabia, minha filha já estava estirada. A minha filha levou tiro de fuzil na cabeça. A minha filha já estava morta”, disse Ana Lúcia Silva Moreira, reiterando ter o apoio dos moradores da comunidade durante o protesto.

Publicidade

Polícia nega

Diferentemente da versão contada pelos familiares das crianças, a Polícia Militar, em nota, nega que a equipe que estava fazendo o patrulhamento no momento em que as primas foram alvejadas foi responsável pelos disparos ouvidos pela comunidade. A PM diz que os agentes ouviram disparos e se dirigiram ao local, mas não dispararam.

Publicidade

No último domingo (6), as armas dos agentes envolvidos no patrulhamento no dia em que Emilly e Rebecca foram mortas tiveram as armas apreendidas para investigação.

Publicidade
Publicidade
Publicidade