in

Auxílio Emergencial: governo toma decisão final sobre prorrogação do benefício para 2021

Benefício começou a ser pago em abril e já atingiu mais de 68 milhões de brasileiros nesta pandemia.

Agência Brasil

Criado no início do ano para ser uma “válvula de escape” para a economia e um alento dos brasileiros, o Auxílio Emergencial ajudou milhares de brasileiros nos últimos. Contudo, mesmo com o país já vivenciando uma “segunda onda” da Covid-19, como definem muitos especialistas, o governo federal não deve estender o programa por mais tempo.

Publicidade

Na última prorrogação realizada, ficou definido que os pagamentos do Auxílio Emergencial seriam esticados até dezembro. Embora haja uma pressão por parte do parlamento em prorrogar o estado de calamidade, o governo de Jair Bolsonaro já sinalizou diversas vezes que não deve continuar pagando o benefício nos primeiros meses de 2021.

Alternativa

De acordo com o R7, após o término do Auxílio Emergencial, o governo deve incluir ao menos 6 milhões de pessoas no programa Bolsa Família. Atualmente, 14,2 milhões de famílias estão cadastradas no benefício.

Publicidade

A alternativa foi a saída encontrada pelo governo, segundo uma fonte ouvida pelo portal, para o fim do auxílio, uma vez que não se trabalha pela extensão do programa em 2021. A decisão, no entanto, manterá sem cobertura uma parte gigantesca de trabalhadores informais que vinham sacando o benefício nos últimos meses.

Publicidade

Além desta inclusão de alguns brasileiros no Bolsa Família, o governo também trabalha em medidas de inserção no mercado de trabalho. Um exemplo é o Carteira Verde e Amarela, que desburocratiza e barateia contratações.  

Publicidade

Outro programa que vem sendo discutido é o Renda Cidadã, que ainda está em discussão pela equipe do governo, e dependerá de um aval do Congresso. Na última semana, o presidente Jair Bolsonaro disse que perpetuar benefícios seria o “caminho para o insucesso”.

Publicidade
Publicidade
Publicidade