in

Caso João Alberto: testemunhas expõe novas revelações sobre a morte e são para quem tem estômago forte

Várias pessoas que estavam no supermercado no dia em questão viram as cenas.

UOL/Montagem Aurilane Cavalcante

No último dia 19, um crime bárbaro chocou o Brasil inteiro, resultando a morte violenta de um homem negro, chamado João Alberto Silveira Freitas, de 40 ano de idade. A vítima foi espancada até ir a óbito por dois seguranças de uma das lojas do Carrefour.

Publicidade

No dia em questão, João Alberto havia ido com sua esposa para o supermercado fazer compras. Em certo momento, ele se aproximou de uma das funcionárias, e, apesar de não ter sido confirmado o que ele conversou com a mulher, os seguranças se aproximaram e o colocaram para fora do estabelecimento.

Na saída do Carrefour, João Alberto deu um soco em um dos seguranças e dali em diante começou a sessão de pancadaria contra o homem, que foi atingido pelos funcionários e sufocado até que não conseguisse mais respirar.

Publicidade

Muitas testemunhas viram tudo e ficaram horrorizados com as cenas brutais. Uma delas disse que, depois que João Alberto ficou inconsciente, um dos seguranças perguntaram se alguém ali sabia verificar sinais vitais. Um idoso de 70 anos então se aproximou e decretou que a vítima estava morta.

Publicidade

Um motoboy também deu declarações sobre. Naquele dia, ele estava fazendo compras no Carrefour. quando terminou foi até sua moto, mas se deparou com a cena do soco desferido por João Alberto seguido pelas agressões dos seguranças.

Publicidade

O motoboy disse que desde a morte da vítima só conseguiu dormir duas noites, pois as cenas ficam repassando na sua cabeça. “Foi horrível. Um pesadelo. Todo mundo pediu para eles pararem“, disse o jovem, que prefere não se identificar por enquanto.

Outra testemunha, que também preferiu não ter o nome revelado, disse que os funcionários estavam mais preocupados com as gravações que os clientes estavam fazendo do que com a vida de João Alberto, que estava coberto de sangue no chão.

Uma outra testemunha também deu declarações. A mulher disse que tapou os olhos do filho enquanto gravada a violência explícita. Ela ainda conta que notou que a criança ficou mais agressiva depois daquele dia. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Aurilane Alves

Escrevo sobre os assuntos mais bombados do momento, famosos, curiosidades, notícias em geral.