in

Morte de primas após bala perdida revolta família que acusa polícia de envolvimento: ‘Simplesmente atiraram’

Caso aconteceu na noite da última sexta-feira (04), em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro.

Correio Braziliense

Os frequentes tiroteios no Rio de Janeiro fizeram mais duas crianças vítimas fatais. Na noite da última sexta-feira (4), as primas Rebecca Beatriz Rodrigues Santos, de 7 anos, e Emilly Vitória da Silva Moreira Santos, de 4 anos, estavam brincando na frente de casa, quando foram atingidas por um disparo de fuzil.

Publicidade

Revoltada, a família das crianças clamam por Justiça, e alegam que disparo teria vindo do fuzil de um policial militar. Emilly acabou sendo alvejada na cabeça, e o mesmo projétil atingiu o abdômen de Rebecca. As duas foram conduzidas para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA), mas não resistiram aos ferimentos. 

Versão da família

De acordo com os familiares, um carro da Polícia Militar passava pela rua onde as meninas moravam em Duque de Caxias, e sem nenhum motivo aparente, um dos policiais efetuou vários disparos, ainda dentro da viatura, direcionando para o local onde as crianças brincavam.

Publicidade

A família de Rebecca e Emily não souberam precisar se os policiais estavam perseguindo alguém, mas foram enfáticos ao cravar que os tiros partiram de algum dos agentes militares.

Publicidade

Pedido de Justiça

Após obter a liberação dos corpos das crianças no Instituto Médico Legal (IML) de Duque de Caxias, Ana Lúcia Alves de Souza, prima das duas crianças, clamou por Justiça e cobrou que os PMs envolvidos no caso sejam responsabilizados. 

Publicidade

“Que preparação é essa que os policiais não conseguem distinguir entre adulto e criança? Não teve troca de tiros. Eles não tiveram nem o cuidado de olhar para a direção em quem eles poderiam acertar. Simplesmente atiraram, isso nos causa muita indignação”, disse Ana, em entrevista ao UOL.

Publicidade
Publicidade
Publicidade