in

Com síndrome rara, bebê ri mesmo quando não está feliz; mãe desabafa: ‘gostaria que meu bebê chorasse’

A menina sofre com uma rara condição genética que provoca danos no sistema nervoso.

Crescer

Uma bebezinha sofre de uma síndrome rara que provoca um efeito curioso. Por mais que não esteja se sentindo feliz, a bebê Fiadh Baird, de sete meses, está sempre com um sorriso no rosto. O motivo da alegria fora do comum é porque a pequena sofre de uma condição genética chamada Angelman. A síndrome causa risos constantes, causa prejuízo no sistema nervoso e provoca dificuldade física e de aprendizado.

Publicidade

Durante uma entrevista ao jornal Daily Mail, Galatea Young, de 28 anos, mãe da pequena, contou que a filha veio ao mundo antes da data prevista. A família mora em Melbourne, na Austrália. A mãe contou que a filha dormiu bem durante a primeira semana de vida, porém, depois disso, acordava gritando. O choro da pequena somente parou após ter sido medicada com remédios para cólica.

Quando ela estava com duas semanas, a mulher notou que tinha alguma coisa errada, já que o choro acabou sendo substituído por sorrisos constantes. “Ela parou de dormir entre 22 e 6 horas da manhã, mas ela nunca chorava, ficava lá sorrindo. Sabia que havia algo diferente nela”, disse a mãe. Percebendo que havia algo errado, ela procurou na web e descobriu o nome da síndrome de Angelman, que tem como um dos sintomas os risos frequentes.

Publicidade

O médico falou que seria pouco provável que Fiadh tivesse a síndrome, porém, decidiu fazer o exame para ter certeza. No mês de setembro, o resultado do exame deu positivo para a síndrome e a mãe ficou em choque com a notícia. A mulher disse que, geralmente, as crianças que sofrem com a condição costumam morrer de coisas comuns, já que não dão nenhum indício de que tem algo errado com elas.

Publicidade

“Muitas vezes ouço outros bebês chorando ou balbuciando quando estou fora e gostaria que meu bebê chorasse, porque isso significaria que ela está se comunicando comigo”, desabafou a mãe da pequena. Ela contou que mesmo que a menina esteja sentindo algum tipo de desconforto ou medo, a bebê continua sorrindo. A australiana disse que a filha vai precisar de supervisão a vida inteira e pode ser que não possa falar e nem andar.

Publicidade
Publicidade

Escrito por Shyrlene Souza

Redatora na web desde 2016, formada em ciências contábeis, apaixonada pela redação desde criança. Escrevo sobre assuntos diversos, famosos, maternidade e notícias que se destacam no Brasil e no mundo.