in

Polícia é criticada por prender mulher trans em cela com vários homens

O Instituto de Reforma da Justiça Criminal condenou a atitude tomada pela polícia.

Instagram

A detenção de uma jovem trans está dividindo opiniões nas redes sociais pelo fato dela ter sido colocada em uma cela com vários homens. A mulher, identificada como Millen Cyrus, de 21 anos, foi detida no último domingo, em Jacarta, sobre uma suposta venda de drogas.

Publicidade

De acordo com a imprensa local, a polícia a colocou em uma cela masculina, relatando que seus documentos afirmavam que ela era um homem.
Os ‘ativistas de direitos’ repudiaram a atitude tomada pela polícia da Indonésia, sob alegação de que a jovem poderia sofrer vários tipos de abusos presa em uma cela masculina. 

Após a prisão da jovem ganhar grande repercussão nas redes sociais, a polícia da Indonésia transferiu a modelo para uma cela especial na última quarta-feira. Porém, o porta-voz da polícia,  Yusri Yunus, relatou que não cometeu nenhum erro em colocar a jovem em uma cela masculina.

Publicidade

O chefe da polícia, Rezha Rahandhi, disse que a jovem não questionou o fato de ser colocada em uma cela com homens.
Segundo a polícia, a jovem e um amigo foram presos após serem pegos com 0,3 gramas de metanfetamina durante uma operação policial em um hotel. 

Publicidade

A polícia relatou que exames feitos deram positivo para o uso da droga, e o amigo deu negativo.
Através de uma nota, o Instituto de Reforma da Justiça Criminal (ICJR) condenou a atitude tomada pela polícia.  

Publicidade

Forçar [Millen Cyrus] a entrar em uma instalação masculina a colocou em uma situação perigosa. [Millen Cyrus] corre alto risco de enfrentar estigma, assédio e violência de outros presos. Isso deve ser entendido pelas autoridades, cujas ações priorizam a lei e os direitos humanos”, disse Maidina Rahmawati, do ICJR.

De acordo com o site Vice, essa não foi a primeira vez que a polícia da Indonésia deixou de tratar prisioneiras trans como mulheres.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Francisco Nunes

Barbeiro profissional.