in

Mulher que chamou cliente de padaria de negro e veado desabafa após ataques: ‘Estou morta por dentro’

Lidiane Brandão Biezok revoltou internautas após atacar funcionários e clientes de uma padaria, com comentários racistas e homofóbicos.

Terra | Divulgação

Nos últimos dias, imagens de uma mulher descontrolada, proferindo ataques homofóbicos a um homem dentro de uma padaria, causaram revolta nos internautas. Lidiane Brandão Biezok foi filmada apresentando descontrole e jogando objetos contra as pessoas no estabelecimento. A mulher afirmou que uma funcionária da padaria só serviria “para pegar seus restos”.

Publicidade

Um cliente do local saiu em defesa da funcionária e foi atacado por Lidiane com comentários racistas e homofóbicos. A mulher afirmou que seria advogada internacional e usou termos como “negro”, “bicha” e “veado”. Lidiane foi conduzida à 91ª delegacia de Polícia, na Vila Leopoldina, onde passou a noite de sexta (20) para sábado (21), quando foi solta sob fiança.

De acordo com a Ordem dos Advogados do Brasil, o nome de Lidiane Brandão não costa nos registros mantidos pelo Conselho Federal da OAB. Segundo o site Terra, a mulher afirmou que foi proibida de exercer a profissão, por conta de estar doente. Lidiane revelou que foi diagnosticada com bipolaridade, depressão e síndrome do pânico.

Publicidade

Após a divulgação do vídeo, a mulher passou a ser duramente atacada nas redes sociais e desabafou: “Estou muito, muitíssimo arrependida. Estou morta por dentro. Gostaria muito de pedir desculpas pelo surto que tive, mas infelizmente sou uma pessoa doente. Essa doença é muito difícil”. Lidiane disse, ainda, que gostaria de ser internada para tratar suas doenças.

Publicidade

Segundo ela, no dia do suposto surto, teria consumido uma enorme quantidade de bebida alcoólica. Ainda de acordo com o site Terra, Lidiane possui uma extensa ficha criminal, tendo passagens pela Justiça por injúria, calúnia, difamação e furto.

Publicidade
Publicidade
Publicidade