in

Depoimento de cliente do Carrefour vem à tona e o que conta pode se tornar peça-chave do quebra-cabeça

A morte do homem que foi espancado por seguranças no supermercado causou grande comoção na populaçao.

Brasil247

O caso do homem negro morto no estacionamento do supermercado Carrefour gerou grande revolta na maior parte da população brasileira. A morte de João Alberto Silveira Freitas, que aconteceu na última quinta-feira, 19 de novembro, provocou grande comoção na sociedade e levantou o debate sobre racismo no país.

Publicidade

Detalhes sobre a morte de João Alberto Silveira Freitas ainda continuam surgindo. Uma cliente do supermercado Carrefour, que testemunhou a morte do homem no estacionamento do estabelecimento, contou durante o depoimento aos policiais que após perceberem que havia matado o homem, os seguranças que espancaram a vítima teriam ficado desorientados ao notar que ele não estava mais respirando.

O depoimento dessa cliente pode ser fundamental para elucidar o caso, já que qualquer nova informação pode mudar totalmente os rumos das investigações.

Publicidade

Publicidade

A RBS TV teve acesso ao depoimento prestado pela cliente e, de acordo com o registro a testemunha, ele chegou perto da confusão quando estava chegando ao estabelecimento e se deparou com o homem que estava imobilizado no chão. A cliente ainda contou que notou que a vítima apresentava sinais visíveis de asfixia. Inclusive, ela teria avisado aos seguranças, porém escutou deles que era que “não se intrometesse em seu trabalho”.

Publicidade

Pouco tempo depois, a testemunha já teria constatado a alteração da cor na boca e das extremidades dos dedos da vítima. De acordo com o depoimento, a cliente teria tentado mais uma vez alertar sobre o fato, mas infelizmente já era tarde demais e João Alberto já estava morto.

A testemunha então relatou que no momento que os seguranças perceberam que o homem estava morto ficaram muito assustados. Eles chegaram a perguntar as pessoas que estavam no local se alguém sabia verificar sinais vitais. Nesse momento, um senhor teria chegado perto e falado sobre o óbito da vítima.

Os seguranças que espancaram o home teriam ficado desorientados com a situação e ficaram perto do corpo por alguns instantes, mas depois se afastaram. Ainda conforme informação da cliente, o SAMU – Serviço de Atendimento Móvel de Urgência demorou aproximadamente 60 minutos para chegar ao local.

A cliente também relatou que chegou perto da esposa da vítima que teria dito que o marido estava muito nervoso e pedia toda hora para voltar para casa enquanto Milena fazia as compras.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Shyrlene Souza

Redatora na web desde 2016, formada em ciências contábeis, apaixonada pela redação desde criança. Escrevo sobre assuntos diversos, famosos, maternidade e notícias que se destacam no Brasil e no mundo.