in

Durante velório, pai de homem espancado e morto no Carrefour comenta repercussão: ‘Alma lavada’

João Batista Rodrigues Freitas falou sobre a reação da sociedade diante da morte do filho.

G1 | Divulgação

Na última quinta-feira (19), um espancamento seguido de morte chocou a sociedade como um todo. João Alberto Silveira de Freitas, negro, soldador e casado, foi brutalmente espancado por dois homens brancos em um estacionamento de uma das unidades do supermercado Carrefour. A morte de João reacendeu o debate do racismo no Brasil.

Publicidade

De acordo com o site G1, a vítima teria se desentendido com um segurança que acabou chamando reforço. Os responsáveis pela morte do soldador são um policial militar e um segurança da loja. Segundo testemunhas, João teria sido imobilizado e asfixiado após as duras agressões.

Famosos e anônimos se manifestaram contra o crime e repudiaram o suposto caso de racismo. Neste sábado (21), ocorreu o velório de João Alberto na Zona leste da capital gaúcha. João Batista Rodrigues Freitas, pai da vítima, desabafou sobre a morte do filho de forma brutal e comentou a reação da sociedade.

Publicidade

Eu posso te dizer que me sinto de alma lavada, porque não imaginei que fosse ter uma repercussão tão grande assim. Mas se é em favor da sociedade é bem-vindo”, disse João Batista, que lamentou a forma como o filho perdeu a vida. O pai da vítima disse, ainda, que essa situação só seria superada com muita educação.

Publicidade

Os dois homens responsáveis pelo crime foram presos em flagrante e deverão responder por homicídio triplamente qualificado. Na noite da última sexta-feira (20), manifestantes depredaram lojas do Carrefour em algumas cidades do Brasil. A empresa emitiu nota repudiando a atitudes de seus funcionários e afirmou que teria rompido o contrato com todos os envolvidos.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade