in

Internautas ficam indignados após homem negro ser espancado até a morte em Carrefour: ‘Revoltante’

Caso se deu na véspera do Dia da Consciência Negra e tem gerado uma enorme revolta.

G1

Às vésperas do Dia da Consciência Negra um fato lamentável foi registrado em uma unidade do supermercado Carrefour em Porto Alegre, na noite da última quinta-feira (19). Realizando compras com sua esposa, João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, foi agredido até a morte dentro do estabelecimento por seguranças do local, após um desentendimento.

Publicidade

O caso tem despertado enorme revolta de populares, e o vídeo com as agressões já estão viralizando nas redes sociais. Em imagens registradas através das câmeras de segurança próximas, João Alberto aparece sendo espancado por dois seguranças.

Os dois suspeitos foram presos em flagrante. Um deles é policial militar e foi conduzido para um presídio militar na capital gaúcha, enquanto o outro segurança da loja foi levado para um prédio da Polícia Civil. A investigação trata o crime como homicídio qualificado. 

Publicidade

Repercussão 

Nas redes sociais, o assunto já é um dos mais comentados pelos internautas, que manifestaram revolta diante do fato, salientando que o mesmo ocorreu na véspera do Dia da Consciência Negra, onde era para ser uma data de reflexão.

Publicidade

“A imagem que precisa ser manchada hoje, é a imagem do
@carrefourbrasil e não a desumanização de um homem negro brutalmente assassinado. Esse vídeo é um grande gatilho de violência às pessoas negras. A imagem que precisa sangrar nesse momento é a imagem dos responsáveis por isso”
, disse outro internauta.

Publicidade

“Um senhor negro assassinado a socos por seguranças do Carrefour de Porto Alegre nas vésperas do Dia da Consciência Negra no Brasil. Não é coincidência. Revoltante”, disse outro.

Carrefour se posiciona

Em nota emitida, o supermercado Carrefour anunciou o rompimento de contrato com a empresa de segurança responsável por admitir os acusados, e já abriu uma investigação interna para apurar os fatos. 

Em comunicado, a Polícia Militar do RS disse que o espancamento foi iniciado após um desentendimento entre a vítima e uma funcionária. A vítima teria ameaçado a bater na funcionária, que rapidamente acionou a segurança. 

Publicidade
Publicidade