in

Dia Mundial do Diabetes: especialista explica sobre doença que acomete cerca de 300 milhões de pessoas em todo o mundo

Em todo mundo, mais de 300 milhões de pessoas têm a doença e um alto percentual vive em países em desenvolvimento.

Dráuzio Varella - UOL

Oficialmente, o dia 14 de novembro é conhecido como o Dia Mundial do Diabetes. Por meio de dados fornecidos pela Federação Internacional de Diabetes (IDF, sigla em inglês), em todo mundo, mais de 300 milhões de pessoas têm a doença e um alto percentual vive em países em desenvolvimento. Atualmente, no Brasil, há mais 13 milhões de pessoas vivendo com diabetes, o que representa 6,9% da população. “A enfermagem no cuidado dos pacientes com diabetes” será tema do Dia Mundial do Diabetes 2020.

Publicidade

Com a temática “Enfermagem”, escolhida pela International Diabetes Federation (IDF), o Dia Mundial do Diabetes 2020 vai abordar como os enfermeiros fazem a diferença na vida das pessoas acometidas pela doença. O tema visa alertar sobre o papel do enfermeiro na luta pela prevenção e pelo diagnóstico precoce do diabetes e/ou de suas complicações agudas e crônicas.

Jaqueline Pais, endocrinologista e coordenadora do serviço de Clínica Médica do Hospital Icaraí, explica que a diabetes é uma doença crônica, na qual o corpo não produz insulina ou não consegue utilizar adequadamente a insulina que produz (esse hormônio controla o nível de glicose no sangue).

Publicidade

“Como resultado, o nível de glicose no sangue fica alto. Se esse quadro permanecer por longos períodos, poderá haver danos em órgãos, vasos sanguíneos e nervos. Existe o diabetes tipo 1, em que o sistema imunológico destrói as células beta do pâncreas, e aí pouca ou nenhuma insulina é liberada para o corpo. Esse tipo de diabetes representa 5-10% do total de pessoas com a doença e aparece geralmente em crianças e adolescentes. Já o diabetes tipo 2 é o mais comum, no qual o indivíduo não produz insulina suficiente ou não consegue usá-la de forma adequada, e se manifesta mais frequentemente em adultos”, esclarece. 

Publicidade

Dentre os fatores de risco, a profissional do Hospital Icaraí ressalta que há uma influência genética no diabetes tipo 1 e no diabetes tipo 2, com fatores de risco, como pressão alta, obesidade, histórico familiar de diabetes, colesterol e/ou triglicerídeos altos, apneia do sono, etc.

Publicidade

“O diagnóstico é feito por meio de um exame de sangue, com pelo menos 8h de jejum. Se o exame vier maior que 100 mg/dL, deve ser feita a curva glicêmica , em que é utilizado um xarope de glicose”, afirma Jaqueline, acrescentando que o tratamento inclui a dieta, exercícios físicos e medicamentos, que devem ser prescritos pelo médico, que saberá o melhor remédio de acordo com o perfil do paciente.

A endocrinologista ainda salienta que os critérios para o diagnóstico de diabetes são: Hhemoglobina glicada ≥ 6,5% – ou – ; glicemia de jejum ≥ 126mg/dL – ou -; glicemia pós-prandial de duas horas ≥ 200mg/dL no teste de tolerância à glicose. – ou – ; e glicemia ao acaso (em qualquer horário) ≥ 200mg/dL em pacientes sintomáticos (poliúria, polidipsia e perda de peso).

Publicidade
Publicidade

Escrito por Anna Müller

Bastante ativa nas redes sociais, escrevo conteúdo sobre os mais diversos assuntos para a plataforma i7 Network.