in

Médica com Covid-19 desabafa e comove: ‘Adoecemos cuidando de doentes, não porque fomos ao shopping’

História da médica e de colegas reflete vulnerabilidades daqueles que atuam na linha de frente do novo coronavírus.

G1/montagem

A médica Priscila da Silva Daflon, de 40 anos, relatou sua indignação ao procurar a BBC News Brasil para fazer a denúncia daquilo que ela chama de descaso do poder público e até mesmo da população no que diz respeito a consideração com o esforço dos profissionais de saúde que foram infectados com a Covid-19.

Publicidade

Ela ressaltou que o mundo vive uma guerra biológica, e ressaltou que os soldados nessa guerra foram os profissionais de saúde. Alguns adoeceram e morrem nessa árdua luta. A insatisfação da médica aconteceu no mês de setembro quando recebeu uma resposta do CAT – Comunicação de Acidente de Trabalho, que ela havia feito à Prefeitura do município de Itajaí, local em que é servidora concursada e atua atendendo em UPAs – Unidade de Pronto Atendimento. Além da prefeitura, ela atua como autônoma em uma unidade de atendimento infantil que presta serviço Secretaria de Saúde da cidade.

A profissional de saúde contou que contraiu Covid-19 no mês de julho, o que foi constatado através de um teste rápido. Por causa disso, a médica desenvolveu uma isquemia cardíaca, quando o fluxo sanguíneo e oxigênio para o coração ficam prejudicados. Inclusive, ela teve que ficar hospitalizada alguns dias.

Publicidade

No entanto, a profissional e outros colegas de trabalho que contraíram Covid-19, tiveram com resposta que não serão emitidos CATs, já que não seria possível afirmar com absoluta certeza se o vírus foi contraído no ambiente de trabalho. Priscila achou a resposta do laudo ofensiva. Ela reconhece que teve acesso aos equipamentos de proteção necessários, mas ressalta que o local de trabalho por si só já é um ambiente de risco.

Publicidade

“Não adoecemos porque fomos ao shopping, à praia, a uma festa… Adoecemos porque estávamos cuidando dos doentes. E isso que é vergonhoso: não só o governo de Itajaí, mas também os estaduais, federal, deixarem de reconhecer que esses profissionais adoeceram lutando pela saúde do país”, lamentou.

Publicidade

A médica também acha um absurdo que o governo federal não tenha incluído a Covid-19 na lista das enfermidades ocupacionais, pois isso facilitaria o acesso ao auxílio-doença através do INSS.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Shyrlene Souza

Redatora na web desde 2016, formada em ciências contábeis, apaixonada pela redação desde criança. Escrevo sobre assuntos diversos, famosos, maternidade e notícias que se destacam no Brasil e no mundo.