in

Menina de 14 anos dá passo decisivo para descobrir cura para a Covid-19

Anika Chebrolu, a menina de apenas 14 anos de idade, fez um projeto que pode levar à cura da Covid-19.

Covid-19 - Notícias ao Minuto

Uma jovem americana, de ascendência indiana, pode ter feito uma das maiores descobertas do ano. Anika Chebrolu, a menina de apenas 14 anos de idade, fez um projeto que pode levar à cura da Covid-19. No momento, ela já ganhou um prêmio de 25 mil dólares por sua descoberta, mas ela sabe que seu trabalho e de seu mentor ainda não está concluído.

Publicidade

Anika Chebrolu apresenta projeto contra a Covid-19

Enquanto não aparece a vacina para a Covid-19, é importante controlar essa pandemia da melhor maneira possível. Então, conseguindo curar e recuperar os infetados é, no momento, o desejo maior dos médicos e especialistas. Isso e evitar a infeção do novo coronavírus. Porém, após a infeção, é importante uma cura mais efetiva, que possa baixar essa taxa de mortalidade por todo o mundo. 

Esse seria, então, o passo de Anika Chebrolu, com sua descoberta. A garota iniciou esse projeto em seu oitavo ano e ela estava estudando pandemias, quando começou essa da Covid-19. A descoberta de Anika tem uma base de dados com 682 milhões de compostos em um programa informático, permitindo saber como e onde é possível unir uma determinada molécula ao vírus SARS-CoV-2. Ou seja, permite controlar sua propagação. 

Publicidade

Projeto adaptado para ajudar na Covid-19

Porém, o estudo de Anika Chebrolu não teve por base a Covid-19, mas sim o vírus da gripe. Ela queria identificar, com essa simulação no computador, um composto que pudesse unir a uma proteína do vírus da gripe. Porém, rapidamente os cientistas perceberam como essa descoberta poderia ser adaptada para o novo coronavírus. 

Publicidade

Nos últimos dois dias, eu percebi que tem muito interesse mediático em meu projeto porque envolve o vírus SARS-CoV-2 e reflete a nossa esperança coletiva para acabar com essa pandemia e eu, como toda a gente, quero que voltemos ao normal depressa”, contou Anika Chebrolu, em declarações para a CNN. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade