in

Adolescente morre na porta de UPA esperando atendimento e família faz grave denúncia

Jovem de 16 anos morreu na porta de unidade hospitalar; família alega ter implorado socorro.

TV Globo

Um jovem de 16 anos morreu na última segunda-feira (19) na porta de uma Unidade de Pronto-Atendimento (UPA), no município de Duque de Caxias. Segundo a mãe do adolescente, foi solicitado o socorro para o filho, contudo o atendimento só veio depois que o garoto não estava mais respirando, e veio à óbito.

Publicidade

O caso foi denunciado à polícia. Em nota, a prefeitura negou omissão no atendimento. Em entrevista ao G1, a mãe do adolescente, Patrícia de Albuquerque, disse que contou com ajuda de um bombeiro civil, que socorreu Robson até a porta da unidade hospitalar em Caxias. 

“Chegando lá, a gente abriu a porta do carro, eu pedi socorro, do carro, e um funcionário da UPA gritou dizendo: “Estou recebendo ordem do meu coordenador, não atendemos 16 anos”. E ele (seu filho) estava com falta de ar, ele tem crise (de asma)”, disse a mãe de Robson.

Publicidade

Longa espera

Patrícia Albuquerque ficou cerca de 15 minutos em frente à UPA implorando socorro e aguardando um atendimento. Neste ínterim, o bombeiro civil que havia ajudado os familiares anteriormente tentaram reanimar o jovem, que acabou não resistindo. 

Publicidade

Somente depois que Robson parou de respirar, um funcionário da UPA se dirigiu foi até o carro. 

Publicidade

Só depois que Robson parou de respirar, um funcionário da UPA foi até o carro.
Segundo um laudo entregue pela UPA aos familiares, Robson teve uma insuficiência respiratória, broncoespasmo e asma brônquica. 

Logo depois do ocorrido, os familiares registraram um boletim de ocorrência na delegacia contra UPA, apontando omissão de socorro. 

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde de Caxias afirma desconhecer as queixas relatadas pela família, contrariando a versão contada por Patrícia.

Publicidade
Publicidade
Publicidade