in

Bolsonaro fica irritado com ministro da Saúde após anúncio de acordo por vacina contra a Covid-19

Chefe do Executivo teria mandado mensagens aos ministros mostrando insatisfação com anúncio de Pazuello.

Pedro Ladeira/Folhapress

O anúncio do Ministério da Saúde da aquisição de 46 milhões de doses da CoroVac, imunizante contra a Covid-19, não agradou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). De acordo com informações do blog da Andréia Sadi, o chefe do Executivo mostrou descontentamento com o responsável pela pasta, Eduardo Pazuello.

Publicidade

Na última terça-feira (20), Pazuello participou de uma reunião com o governador de São Paulo, João Doria, e outros líderes de estado, anunciando posteriormente o acordo para a compra do imunizante que vem sendo desenvolvido pela empresa chinesa Sinovac e o Instituto Butantan.

Do montante de 46 milhões de doses fechado na parceria, o Instituto Butantan prevê que seis milhões de doses virão prontas da China. Em suas redes sociais nesta quarta-feira (21), Bolsonaro negou que o governo federal comprará a vacina chinesa. 

Publicidade

Contato direto

Segundo Sadi, Bolsonaro manifestou a sua insatisfação em mensagem enviada aos ministros por celular. Hoje haverá uma reunião de ministro do núcleo duro do governo para será tomada uma decisão. 

Publicidade

Segundo o site Poder360, o chefe do Executivo escreveu a ministros que  “não compraremos vacina da China” e ainda reforçou que seu governo não deve fazer diálogos com João Doria a respeito da Covid-19. 

Publicidade

De acordo com fontes ouvidas pelo blog de Andréia Sadi, Bolsonaro mostrou irritação pelo fato de que a postura de Pazuello tenha passado uma imagem de que ele estaria apostando e comprando o imunizante de São Paulo de forma antecipada. Decisão esta que o governo não irá tomar. 

Pazuello ainda foi desautorizado, no entanto, fontes do Planalto sinalizaram que o governo não irá recuar da compra. Mas para isso dois requisitos terão que ser atendidos: a aprovação do imunizante pela Anvisa e que a vacinação não seja obrigatória.

Publicidade
Publicidade