Jovem é absolvido após ficar quase três anos preso por crimes que não cometeu

Lucas Moreira foi sentenciado em quase 80 anos por crimes que não cometeu.

PUBLICIDADE

Depois de quase três anos preso, o jovem Lucas Moreira de Souza, de 27 anos, conseguiu provar a sua inocência de um crime que não cometeu. Em dezembro de 2017, ele foi preso por suposto envolvimento em vários assaltos. A luta de anos enfim foi recompensada com a sonhada liberdade. 

PUBLICIDADE

Nesta semana, Lucas que havia sido sentenciado a quase 80 anos de prisão, por crimes que não cometeu, recebeu uma notícia da Justiça que trouxe alívio a ele e todos os familiares. Preso desde então no Complexo Penitenciário da Papuda, no Distrito Federal, o jovem foi inocentado após um policial civil servir como testemunha chave. Este, que acreditava na inocência do rapaz procurou a Defensoria Pública e foi crucial para a soltura de Lucas.

Apesar do cenário de alívio, ainda não há uma previsão de quando Lucas será solto. Na última terça-feira (20), o juiz responsável pelo caso indicou um prazo de cinco dias para que o Ministério Público se manifeste sobre o caso. Somente após isso, o magistrado analisará a soltura do jovem. 

A luta pela inocência

O processo para provar a inocência de Lucas foi iniciado há cerca de dois anos. Acreditando que o jovem não era culpado dos crimes em que foi condenado, um policial civil procurou a Defensoria Público do Distrito Federal (DPDF) e pediu ajuda. 

Quatro defensores participaram da ação pela soltura de Lucas. Em entrevista ao G1, Antonia Carneiro, um dos membros da defesa do jovem, afirmou que a única prova apresentada contra o rapaz era um reconhecimento impreciso realizado por testemunhas. A defensora afirmou que, no momento dos crimes em que foi acusado, Lucas estava com a tia tomando café, e apesar desse álibi, a Justiça não acreditou nele.

PUBLICIDADE

Outro ponto destacado pelos defensores, é que o criminoso possuía uma deficiência na perna, e mancava ao andar, problema este que Lucas não tem.