in

Policial atende chamado de acidente e fica atônito ao ver que o irmão morreu no local: ‘Desespero total’

O irmão do policial voltava da chácara da família, onde comemorava seu aniversário de 44 anos.

G1/Montagem Ingrid Machado

O policial militar José Renato dos Santos cumpria mais um dia de expediente em Tupã, São Paulo, quando recebeu um chamado de um acidente na estrada no último domingo (11). José se encaminhou ao local com a viatura policial, e se deparou com uma moto totalmente destruída. Ao consultar a placa da motocicleta, o policial se chocou ao perceber que a vítima fatal se tratava do próprio irmão, Rogério Cardoso dos Santos.

Publicidade

De acordo com o site G1, José Renato e o irmão passaram o dia na chácara da família comemorando o aniversário de 44 anos da vítima. O policial precisou deixar a comemoração para iniciar um novo expediente de trabalho. Logo após chegar no local, José foi comunicado que havia ocorrido um acidente na estrada, que a princípio se tratava de um capotamento.

Ao chegar no local e consultar a placa da moto envolvida no acidente junto a um carro de passeio, o policial percebeu que poderia se tratar de seu irmão ou de sua cunhada, que eram os únicos que utilizavam o veículo. Após conseguir contato com a cunhada, José constatou que, de fato, a vítima era seu irmão.

Publicidade

Rogério Cardoso pilotava a moto e teria batido de frente ao carro de passeio. O motorista fugiu do local sem prestar socorro. “Liguei no celular do meu irmão, caixa postal. Foi quando eu consegui falar com a minha cunhada e caiu a ficha de que era meu irmão que estava ali. No mesmo momento o bombeiro já anunciou que havia achado o corpo dele, aí foi desespero total”, contou o policial.

Publicidade

O corpo do irmão de José Renato foi arrastado por mais de 30 metros. O policial descreveu o momento de dor em que teve que comunicar à mãe sobre o falecimento do irmão. O policial disse, ainda, que espera justiça e que o verdadeiro culpado seja punido com o rigor da lei. O motorista compareceu à delegacia de Tupã somente 24 horas após o crime. Por não ter sido preso em flagrante, o homem foi ouvido e liberado.

Publicidade
Publicidade