in

Auxílio emergencial: a votação que pode levar o benefício de volta aos R$ 600

Deputados tentam colocar Medida Provisória 1.000 na ordem do dia na Câmara.

Caixa

O valor do pagamento do Auxílio Emergencial caiu de R$ 600 para R$ 300. Desde a semana passada, os beneficiários passaram a receber o valor menor, prometido pelo governo federal para as quatro últimas parcelas do benefício, a serem pagas até dezembro.

Publicidade

Há, porém, uma esperança de que o Auxílio Emergencial volte a R$ 600. Para abaixar o valor para R$ 300, o governo federal publicou a Medida Provisória (MP) 1.000. A ementa da MP de autoria da Presidência da República instituto o auxílio residual. 

“Institui, até 31 de dezembro de 2020, o auxílio emergencial residual a ser pago em até quatro parcelas mensais no valor de R$ 300,00 (trezentos reais). A parcela do auxílio emergencial residual será paga, independentemente de requerimento, de forma subsequente à última parcela recebida do auxílio emergencial de que trata a Lei nº 13.982, de 2020, desde que o beneficiário atenda aos requisitos estabelecidos nesta Medida Provisória”, diz a explicação da ementa.

Publicidade

Deputados querem votação da MP

A única forma de fazer o valor voltar a R$ 600 é votando a MP e a rejeitando. Por isso, alguns deputados têm tentado colocar a votação em pauta. Nos dias 14, 18 e 23 de setembro, de acordo com informações do Congresso Nacional, deputados tentaram “requerer a inclusão na ordem do dia da MP 1.000/2020”.

Publicidade

Com a votação, os deputados podem derrubar a MP e o auxílio voltar ao valor anterior. O governo federal trabalha para que a votação não seja feita. Como a MP tem duração de 120 dias, ela perderia a validade quando todos os pagamentos já tivesse sido feitos.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network. Aqui escrevo sobre política, futebol, TV & famosos e qualquer outro assunto que esteja repercutindo no Brasil e no mundo.
Entre em contato comigo pelo @DiogoMarcondes no Twitter!