in

OMS faz projeção de quando vacinação em massa contra a Covid-19 será realizada

Vários imunizantes estão em fase de testagem sendo alvos de estudos de pesquisadores.

G1

A pandemia do coronavírus segue assolando a população mundial em larga escala. A grande esperança no momento é a chegada de um imunizante o mais rápido possível, muitos deles já estão em fase avançada de testes. Nesta sexta-feira (04), uma porta-voz da Organização Mundial da Saúde (OMS) não se mostrou muito confiante em um processo de vacinação em massa ainda neste ano.

Publicidade

Segundo Margaret Harris, as checagens rigorosas são importantes para se obter resultados que comprovem a eficácia e segurança das vacinas. A porta-voz indicou que, até o momento, nenhuma das vacinas candidatas que estão fase de testes apresentou um “sinal claro” de eficácia, em menos 50% do que a OMS busca. 

“Realmente não estamos esperando ver uma vacinação ampla até meados do ano que vem”, disse Harris durante um briefing da Organização das Nações Unidas (ONU) em Genebra. 

Publicidade

Imunizante da Rússia

Apesar de toda a desconfiança acerca do imunizante russo, o país europeu segue dando passos para vacinar sua população em massa. Nesta sexta (04), foram divulgados resultados dos testes das fases 1 e 2 da vacina, e análise foi positiva.

Publicidade

A Sputnik V foi aprovada em menos de dois meses de realização de testes, fato que fez especialistas questionarem a eficácia e segurança do imunizante.

Publicidade

Outro imunizante

Desenvolvida em parceria entre a Pfizer e a BioNTech, a vacina contra a Covid-19 pode chegar aos Estados Unidos para distribuição até o final de outubro, antes da realização das eleições no país, programas para o dia 3 de novembro. 

Um dos epicentros da Covid-19 em escala mundial, o Brasil já obteve a liberação da Anvisa para a realização da fase de estudos dos imunizantes, entre eles a Coronovac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac, o imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford, do Reino Unido, a Jansen-Cilag produzida pela divisão farmacêutica da Johnson&Johnson e a vacina desenvolvida entre a Pfizer e a BioNTech.

Publicidade
Publicidade
Publicidade