in

1ª morte de criança por síndrome rara associada à Covid-19 é registrada no Brasil

Criança morre vítima de SIM-P, doença rara associada a Covid em Pernambuco.

JC10

O Brasil registrou a primeira morte de uma criança com a SIM-P – Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica, que é uma rara enfermidade que está ligada à Covid-19. Segundo a SES – Secretaria Estadual de Saúde do estado de Pernambuco, nesta última segunda-feira, 25 de agosto, informou que já forma registrados nove casos da doença desde o começo da pandemia do novo coronavírus.

Publicidade

Dos casos que já foram notificados no estado, sete pacientes já se recuperaram da doença e tiveram alta. No entanto, ainda há um paciente hospitalizado em uma enfermaria, fora a criança que morreu vítima da enfermidade. As duas primeiras situações envolvendo a síndrome foram divulgadas no começo do mês de agosto.

Segundo o Ministério da Saúde, os dados mais recentes da SIM-P – Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica, são do dia 8 de agosto, quando o país tinha o registro de 117 crianças e adolescentes, entre as faixas etárias de 7 meses e 16 anos, com o diagnóstico positivo para a enfermidade.

Publicidade

A criança que morreu era uma garota e tinha 11 anos. A pequena morava em Recife e não tinha doença pré-existente. A menina foi atendida no hospital público estadual no dia 23 de junho e evoluiu à óbito no dia seguinte. A paciente não chegou a ser internada na UTI – Unidade de Terapia Intensiva. Ela deu entrada no hospital apresentando um quadro de conjuntivite, febre, dor no abdômen, diarreia, manchas avermelhadas pelo corpo e taquicardia.

Publicidade

1ª morte no Brasil de doença associada ao coronavírus

A criança teve contato com outros familiares que tiveram suspeita de estarem infectados com a Covid-19. Por isso, ela passou por exames no dia que deu entrada na unidade hospitalar, explicou a secretaria através de uma nota. De acordo com especialistas, a síndrome pode acometer o paciente em dias ou pode levar até semanas, após a infecção pelo coronavírus.

Publicidade
Publicidade