in

Indiciada por homicídio, Flordelis trabalha normalmente na Câmara

Nesta segunda-feira, Flordelis foi indiciada e denunciada por homicídio triplamente qualificado e só não foi presa por possuir imunidade parlamentar.

Reprodução/ Veja

Há mais de um ano sendo investigada pelo assassinato do marido, o Pastor Anderson do Carmo, a deputada federal Flordelis (PSD-RJ) mantém uma rotina de trabalho normal na Câmara durante todo este tempo. Neste ano, a deputada participou de 218 votações nominais e teve 13 projetos protocolados.

Publicidade

Nesta segunda-feira (24), a cantora gospel foi indiciada e denunciada por homicídio triplamente qualificado, por ter financiado a arma usada no crime e por ter tentado, com cinco filhos e uma neta, envenenar Anderson; e só não foi detida por possuir imunidade parlamentar. Flordelis nega todas as imputações de ter participado no crime que teria sido praticado por disputa de dinheiro e poder.

No entanto, diante da denúncia ocorrida ontem, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), informou que o caso seria avaliado. Já o presidente do partido em que Flordelis atua, Gilberto Kassab, anunciou que iria suspendê-la e instaurar um processo de expulsão.

Publicidade

A deputada evangélica não é o primeiro caso em que um parlamentar é indiciado por assassinato. O mais conhecido é o ex-deputado federal e ex-coronel da Polícia Militar, Hidelbrando Pascoal. O homem da motosserra era reconhecido nos corredores da Câmara dos Deputados por ter uma fala mansa, um olhar tranquilo, um andar esquálido e fama de mau.

Publicidade

Em 1999, Hidelbrando foi cassado e expulso do partido PFL, após ser acusado de liderar um grupo de extermínio no Acre. Em 2009, ele foi condenado pelo assassinato frio de um inimigo que foi esquartejado vivo.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade