in

Família de menina de 10 anos mudará de nome e endereço após repercussão do abuso

Família de menina de 10 anos abusada pelo tio aceita participar de programa para ter nova identidade e endereço.

Reprodução/ Folha Z

O caso de uma menina de 10 anos, que passou por um aborto aos 5 meses de gestação, após ser abusada pelo tio, continua com uma grande repercussão.

Publicidade

Com a grande exposição do caso, o Governo do Espírito Santo está providenciando uma nova identidade e uma nova moradia para a criança. A família da menina aceitou participar de dois programas do governo, Provita-ES e PPCAAM-ES.

Com a entrada nas iniciativas de proteção oferecidos, Programa de Apoio e Proteção às Testemunhas, Vítimas e Familiares de Vítimas da Violência e Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte, a menina e seus familiares terão um novo endereço, ajuda de custo pessoal e novas identidades fornecidas pelo governo do estado. Também serão oferecidos ingresso na rede de educação e na rede de saúde, cursos de qualificação profissional e auxílio para que os adultos assistidos integrem o mercado de trabalho. 

Publicidade

Atualmente, a guarda da criança pertence à avó, porque a mãe faleceu e o pai está preso. Elas não retornarão mais para antiga moradia. A assistência  dada pelo governo pode durar até quatro anos.

Publicidade

No último dia 17, uma manifestação se formou em frente ao Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (Cisam), após a ativista de extrema-direita Sara Winter anunciar o nome, endereço residencial e do hospital onde a menina faria o aborto

Publicidade

O médico responsável pelo procedimento foi hostilizado, a Polícia Militar foi acionada e a criança teve a necessidade de entrar no hospital escondida no porta-malas de um carro. Após essa exposição, a Secretária de Saúde julgou necessários os programas de proteção.

Publicidade